Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Últimos favoritos Ver todos
Home  >  Negócios

União Europeia busca colocar as rédeas na gestão algorítmica dos “gig workers”

Defensores das propostas argumentam que todos os trabalhadores devem ser protegidos da gestão por sistemas automatizados

Matthew Finnegan, Computerworld

30/12/2021 às 10h00

gig worker
Foto: Shutter Stock

Este artigo foi publicado originalmente em 15 de dezembro de 2021

Empresas que empregam trabalhadores “gig" precisam fornecer maior transparência sobre o uso de gerenciamento e monitoramento algorítmico, de acordo com as regras propostas pela Comissão Europeia na semana passada. As regras, se entrarem em vigor, devem ser estendidas a todos os trabalhadores sujeitos à gestão por sistemas automatizados, segundo especialistas de local de trabalho.

Tal como acontece com outras legislações da União Europeia, as regras afetariam as empresas dos Estados Unidos com trabalhadores da gig na região.

As propostas de diretiva da Comissão sobre gestão algorítmica foram um dos três conjuntos de medidas anunciadas na semana passada, incluindo a concessão do estatuto de trabalhador para aqueles que trabalham com "plataformas de trabalho digital". Esse grupo inclui empresas de carona como Uber e Lyft, bem como empresas de entrega como Deliveroo e plataformas de trabalho de serviço doméstico informal como TaskRabbit.

Estima-se que haja 28 milhões de trabalhadores informais na União Europeia, disse a Comissão, um número que deverá aumentar para 43 milhões em 2025.

As propostas de gerenciamento algorítmico buscam fornecer aos trabalhadores uma maior proteção contra quaisquer efeitos negativos dos sistemas automatizados usados para controlar aspectos da "economia gig".

“Este é um passo em frente na consciência dos riscos que são gerados pela gestão algorítmica e uma abordagem mais atenta do que a que veio da Comissão até agora”, disse Valerio De Stefano, professor de Direito do Trabalho na Universidade belga KU Leuven.

Gerenciamento via algoritmos explicado

O gerenciamento de algoritmos é um componente chave das plataformas digitais de trabalho. Envolve ferramentas e técnicas usadas para automatizar aspectos da coordenação do trabalhador, como alocar tarefas e monitorar o desempenho, e depende da coleta de dados e vigilância em vez da supervisão humana.

No entanto, o uso de gerenciamento algorítmico levantou preocupações em torno da capacidade dos sistemas de “caixa preta” de monitorar e avaliar os trabalhadores, com poucas oportunidades para os trabalhadores contestarem as decisões.

Um relatório esta semana do Worker Info Exchange, um grupo sem fins lucrativos, destacou a prevalência da vigilância de trabalhadores da gig e a falta de recursos que os trabalhadores têm quando surgem problemas: motoristas de serviço de transporte de carona são bloqueados de contas devido a falhas no software de reconhecimento facial é um exemplo.

Os efeitos prejudiciais do gerenciamento algorítmico e do monitoramento dos trabalhadores da plataforma foram destacados em um relatório de parlamentares do Reino Unido no mês passado. “O monitoramento difuso e as tecnologias de definição de metas, em particular, estão associadas a impactos negativos pronunciados sobre o bem-estar físico e mental, pois os trabalhadores sofrem a extrema pressão de uma microgestão constante e em tempo real e da avaliação automatizada”, disseram membros do grupo All Party Parliamentary em seu relatório, “The New Frontier: Artificial Intelligence at Work”.

A distribuição automatizada de tarefas e medição de desempenho não é inerentemente problemática, disse Helen Poitevin, analista do Gartner, mas podem surgir problemas com uma dependência excessiva da tecnologia e pouca interação humana. “É quando você não tem nenhum sistema de apoio para ajudar [os trabalhadores] a crescer e aprender, ou não tem um lugar para onde ir se as máquinas estiverem erradas e você precisar erguer a bandeira”, disse ela. “Você tem que ter o suporte no lugar”.

As propostas da Comissão centram-se numa maior transparência em torno da utilização de ferramentas de gestão algorítmica para trabalhadores da gig. Isso inclui:

  • Informar aos trabalhadores como os sistemas automatizados são usados para tomar decisões e realizar ações que “afetam significativamente” as condições de trabalho.
  • Limites na coleta de dados do trabalhador que não são estritamente necessários, especialmente em conversas privadas ou dados relacionados à saúde ou estado emocional.
  • Supervisão humana de sistemas automatizados. Isso envolve avaliações para garantir que os trabalhadores não enfrentem riscos psicológicos e de saúde causados por tomadas de decisão algorítmicas.
  • Oferecer a oportunidade para os trabalhadores contestarem as decisões automatizadas que afetam seu trabalho. Isso tem sido um problema para os trabalhadores da gig que enfrentaram o encerramento ou suspensão de contas sem serem informados do motivo.
  • Um requisito para que os provedores de plataforma consultem os representantes dos trabalhadores sobre as principais mudanças nos sistemas de tomada de decisão.

As propostas da Comissão baseiam-se na legislação do Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) da UE, que inclui proteções para os trabalhadores em torno da coleta de dados. No entanto, o GDPR não fornece a mesma clareza em torno do gerenciamento algorítmico que as regras propostas para os trabalhadores da gig, disse De Stefano. A Comissão observa as dificuldades enfrentadas pelos trabalhadores da gig em fazer valer seus direitos individuais dentro do GDPR.

E além dos trabalhadores informais?

Jeremias Adams-Prassl, professor de Direito da Universidade de Oxford do Reino Unido, acolheu as regras propostas em torno da tomada de decisão automatizada. “Muito do debate tem sido sobre a situação de emprego dos trabalhadores de plataforma e a diretiva olha para isso, mas também vai além”, disse Adams-Prassl, chamando as propostas de “um primeiro passo realmente importante”.

Ele argumentou que o escopo das regras deveria ser ampliado para todos os trabalhadores agora gerenciados e monitorados por sistemas automatizados - não apenas aqueles em empregos de gig economy. “A gig economy não é necessariamente um silo do mercado de trabalho: eu sugeriria que os legisladores pensassem seriamente em estender esses direitos a todos os trabalhadores, não apenas aos trabalhadores baseados em plataformas”, disse ele.

O gerenciamento e monitoramento de algoritmos têm sido implantados por empresas em uma variedade de setores nos últimos anos. Funcionários de armazém, por exemplo, muitas vezes enfrentam controle e monitoramento algorítmicos, muitos deles rastreados e direcionados por software. E no setor de varejo, o software de programação de turnos automatizado às vezes é usado pelos empregadores.

De forma mais ampla, aqueles em trabalhos de mesa mais tradicionais também foram sujeitos a níveis crescentes de rastreamento de produtividade com o aumento de ferramentas de monitoramento durante a pandemia de Covid-19, contando com capturas de tela automatizadas e registro de pressionamento de tecla, por exemplo.

“Vemos desafios semelhantes em locais de trabalho em todo o espectro socioeconômico, mas a gig economy foi certamente o berço de muitas dessas tecnologias, o que explica por que estamos começando a ver os reguladores responderem a ela neste contexto específico”, disse Adams-Prassl.

De Stefano disse: “O grande desafio agora será estender a proteção da [diretiva da plataforma de trabalho digital da Comissão Europeia] a todos os trabalhadores, caso contrário, teremos basicamente um mercado de trabalho segmentado no qual apenas os trabalhadores de plataforma são protegidos de forma significativa”.

Preparando o terreno para proteções globais?

Como acontece com qualquer lei da UE, as novas regras em torno do gerenciamento algorítmico poderiam ter um efeito mais amplo além dos 27 estados membros.

Caso as propostas da Comissão Europeia sejam aceitas, as empresas de gigs com sede nos Estados Unidos e com presença na UE precisariam cumprir os regulamentos para trabalho naquela região. Adams-Prassl destacou o “efeito Bruxelas”, em que a legislação da UE, como o GDPR, tem impacto em outras regiões e países. Isso pode acabar sendo verdade com as regras em torno do gerenciamento algorítmico dos trabalhadores da gig.

“Mesmo que não sejam vinculados ao GDPR, existem muitas empresas nos EUA [que são afetadas por ele]: uma vez que você constrói um produto de acordo com os padrões do GDPR, acaba usando-o em todo o mundo. Portanto, podemos ver um forte tipo de 'efeito Bruxelas' [onde a última mudança] se torna o novo padrão esperado para plataformas”.

As propostas terão de ser debatidas pelo Parlamento Europeu e pelo Conselho antes de entrarem em vigor. Não há um cronograma definido para a implementação e, como as regras terão que ser negociadas entre os países-membros, podem não estar em vigor até 2024 ou mais tarde.

Snippets HTML5 default Intervenções CW

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15