Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Últimos favoritos Ver todos
Home  >  Inovação

Estamos imaginando a colaboração no metaverso da maneira errada

Mais do que lugares virtuais para se encontrar e trabalhar juntos, o que a colaboração precisa é ser algo semelhante a um jogo

Rob Enderle, Computerworld

07/12/2021 às 15h00

metaverso
Foto: Shutter Stock

Fato relevante: a Qualcomm é cliente do autor

Estive no Qualcomm Snapdragon Tech Summit, no Havaí, esta semana, onde um executivo do Facebook subiu ao palco para uma conversa virtual dentro da nova oferta de colaboração da Meta. Enquanto assistia à discussão, ficou claro que o principal benefício era mais social do que colaborativo. Isso me lembrou de quando eu estava viciado no velho jogo multiplayer “City of Heroes”. Embora inicialmente eu tenha jogado para progredir meu personagem, eventualmente eu continuei jogando só porque fiz vários amigos com quem gostava de encontrar virtualmente. A experiência, embora colaborativa durante o jogo, tornou-se mais social entre os eventos; conversamos sobre interesses pessoais, nossos filhos, nosso trabalho e passamos a nos conhecer e confiar uns nos outros.

Esses foram todos os elementos essenciais para o nosso esforço coletivo para nivelar nossos personagens e completar missões difíceis. E é algo que as plataformas de colaboração podem usar.

Algumas semanas atrás, descrevi minha preocupação com a mudança para o trabalho remoto, os trabalhadores estão perdendo os laços sociais com suas empresas e colegas de trabalho – sei que não colaboro bem com pessoas que não conheço ou em quem não confio. Duvido que qualquer um de nós o faça. E se, em vez de começar do zero com um Metaverso, começássemos com um mecanismo de jogo e mesclássemos os esforços de colaboração com elementos de construção de equipes baseados em jogos?

Vamos explorar por que isso pode funcionar.

O que é colaboração?

Colaboração é quando um grupo de pessoas trabalha coletivamente para cumprir uma meta – com ênfase em "cumprir". No entanto, minha experiência tem sido que a maioria dos projetos colaborativos não são colaborativos de forma alguma, eles geralmente são a combinação do trabalho de um grupo de operadores amplamente independentes.

Frequentemente, quando abraçamos um novo conceito, simplesmente renomeamos algo que já existia para fazer com que coisas antigas parecessem atuais. Quando começamos a falar sobre plataformas de colaboração, estávamos basicamente falando sobre esforços de videoconferência mais antigos que, com o tempo, adquiriram recursos que os faziam parecer colaborativos. Mas os esforços para conectar trabalhadores a reuniões remotas, inicialmente para reduzir despesas com viagens e horas de trabalho perdidas devido a essas viagens, fracassaram amplamente ao longo dos anos.

Se não fosse pela pandemia contínua e a necessidade de apoiar os funcionários que queremos reter em um mercado de trabalho aquecido, provavelmente os veríamos falhar novamente – porque eles tentam principalmente recriar salas de reunião. Mas poucos de nós colaboramos por muito tempo em salas de reunião, porque a colaboração acontece de maneira dinâmica. Muitas vezes é assimétrica, com pessoas trabalhando em diferentes partes de um projeto, em diferentes cronogramas e precisando estar perto de sua mesa e suas ferramentas pessoais.

Algumas empresas (como a Oracle) tentaram banir as reuniões como exercícios que causam perda de tempo, algo que eu apoiaria. Muitas vezes, as reuniões parecem ganhar uma meia-vida orgânica e continuar indefinidamente sem realizar nada. (Lembro-me de uma vez na IBM que nos reunimos por horas, duas vezes por semana, durante a maior parte do ano discutindo sobre quem financiaria uma correção de produto; dois gerentes eventualmente se cansaram, vieram durante um fim de semana e trabalharam para consertar o maldito produto).

Esta foi uma das razões pelas quais tínhamos esforços do Skunk Works, o que nos levou a alguns dos nossos melhores produtos. Pegávamos pequenas equipes, mandávamos para fora do local e fazíamos com que trabalhassem como se fossem uma pequena empresa com um conjunto claro de metas; essas equipes, que trabalharam de forma colaborativa, criaram algumas de nossas ofertas menos caras (em termos de custos de desenvolvimento) e mais populares.

Crie confiança para colaborar de forma eficaz

Equipes que não confiam umas nas outras porque temem que alguém esteja recebendo muito crédito ou não colocando sua parte justa no esforço são comuns e muitas vezes têm baixo desempenho. Certa vez, trabalhei em uma forte equipe de auditoria que superou nossos colegas - até que um dos membros (não eu) teve um caso com uma pessoa casada da equipe. A partir de então, a equipe estava efetivamente morta; a confiança foi quebrada.

Agora, com muitos funcionários remotos, é difícil construir um relacionamento com colegas de equipe porque não interagimos fora do trabalho. Mas com algo como a adição de um jogo multiplayer de que todos gostem, você pode se unir e construir coletivamente aquela confiança crítica e afeição que todas as equipes produtivas parecem exibir.

Avatares para todos?

Continuo preocupado com o fato de que relacionamentos críticos não estão sendo criados por causa de nossa força de trabalho cada vez mais remota, com a lealdade da empresa e a eficácia da equipe diminuindo ao longo do tempo. Precisamos de uma plataforma que combine com mais eficácia o jogo coletivo e seguro – você não quer que os funcionários discutam projetos proprietários em ambientes abertos – tanto para fazer pausas quanto para construir a confiança dentro da equipe.

Uma coisa a se considerar seria combinar elementos de jogos coletivos e claramente colaborativos com nossos recursos de videoconferência atuais. Isso teria outro benefício claro: o uso de avatares. (Você não participa de um RPG multiplayer sem um avatar.) Isso naturalmente ajudaria as pessoas a se acostumar com eles, embora provavelmente precisássemos de algumas restrições na nomenclatura de avatares. Tenho certeza de que qualquer um teria problemas para se concentrar em um projeto liderado por "Deadeye Bloodborne" ou, especialmente, Leroy Jenkins.

Tags

Snippets HTML5 default Intervenções CW

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15