Home  >  Negócios

Como o Windows 10 termina muito parecido com o Windows 7

Com a chegada do Windows 11 em outubro, o Windows 10 pode muito bem encerrar sua carreira da mesma forma que o Windows 7 - em uma espécie de beco sem

Gregg Keizer, Computerworld

25/09/2021 às 13h00

Windows 10
Foto: Shutter Stock

O Windows 10, originalmente apresentado como uma ruptura revolucionária com o passado do Windows na forma de manutenção, pode muito bem encerrar sua carreira, nos próximos anos, com a cara do Windows 7.

Sim, Windows 7 - a imagem mais clara de "tradição" na história dos sistemas operacionais de Redmond.

Entra o Windows 11

O catalisador para a mudança para o Windows 10 é seu sucessor, o Windows 11, previsto para estrear em 5 de outubro. O Windows 11, que terá seu próprio modelo de manutenção ajustado - uma atualização de recurso anual com 36 meses de suporte para aqueles que executam SKUs Enterprise ou Education - substituirá o antigo Windows 10 como o repositório do novo.

Quando lançou o Windows 11 em junho, a Microsoft fez questão de dizer aos clientes que ainda lançaria uma atualização de recursos do Windows 10 - rotulada 21H2 - nesta primavera. "Continuaremos a apoiá-lo à medida que você usa o Windows 10", escreveu Wangui McKelvey, gerente geral da Microsoft 365, em uma postagem de 24 de junho no blog da empresa. A empresa também disse aos clientes que o Windows 10 continuará a receber suporte até outubro de 2025.

O Windows 10 21H2 compartilhará os atributos das duas últimas atualizações do segundo semestre do ano que a Microsoft lançou, no sentido de que incluirá poucos novos recursos ou funcionalidades, tão poucos que serão atendidos usando os mecanismos de atualização mensal em vez de exigir uma substituição completa do sistema operacional.

Além desses indicadores de continuidade, a Microsoft não deu detalhes sobre como oferecerá suporte ao Windows 10 nos próximos quatro anos. Ela limitará as atualizações às correções mensais de segurança? Algum novo recurso aparecerá em atualizações futuras após 21H2? Nós não sabemos.

Ela terá que fazer algo, porque o suporte restante garantido aos clientes se estende além do suporte fornecido por quaisquer atualizações lançadas ou anunciadas. O Windows 10 21H2 Enterprise irá, sem considerar potenciais alterações nas políticas de suporte do 10, se aposentar em maio de 2024. Os Windows 10 21H2 Home e 21H2 Pro terão seu suporte até maio de 2023. Os déficits de 18 meses (Enterprise) ou 30 meses (Home & Pro) terão que ser compensados de alguma forma.

Claro, a Microsoft pode fazer isso com alguns toques no teclado. Se ela não quiser lançar atualizações de recursos após o 21H2 deste ano, tudo o que precisa fazer é mover os prazos de suporte para os vários SKUs para outubro de 2025. Boom! Feito.

Nem há nada impedindo a Microsoft de continuar a lançar atualizações, mesmo que essas atualizações ofereçam apenas um punhado (ou menos) de novas funcionalidades ou recursos, para fechar essa lacuna de suporte. Se assim fosse, a atualização final Enterprise/Education seria 23H1, a última atualização Home/Pro 24H1, ambas as quais encerrariam o suporte em outono de 2025.

Olá, Windows 7!

Porém, não é isso que a Computerworld espera que a Microsoft faça. Francamente, isso iria contra a natureza da empresa.

Quando um produto é suspenso, a Microsoft geralmente encerra o desenvolvimento deste produto. (Os sistemas operacionais são exemplos ruins aqui, pois até o Windows 10, a Microsoft desenvolvia uma vez e lançava, raramente para se preocupar em desenvolver de novo.) Quando a Microsoft lançou um novo Internet Explorer (IE), por exemplo, ela continuou a corrigir as versões anteriores, mas não continuou a adicionar recursos à edição antiga. Esperava-se que os clientes atualizassem para a versão mais recente.

Isso é o que quase certamente acontecerá com o Windows 10. Por que a Microsoft faria de forma diferente? Desde o anúncio do Windows 11, o Windows 10 foi morto, ou, pelo menos, em um beco sem saída. Chegou ao ápice de recursos que poderia ter. Qualquer esforço de desenvolvimento seria aplicado no 11, não no 10 (embora o 11 seja, sem os novos requisitos de hardware, rotulado incorretamente e deveria ter sido lançado como 10+, se não apenas 10 21H2).

Nos próximos quatro anos, o Windows 10 receberá atualizações de segurança na segunda terça-feira de cada mês. Mas com acréscimos de recursos ou funcionalidades? Muito improvável. Esse é exatamente o modelo que o Windows 7 usou durante sua execução do final de 2009 ao início de 2020, que é o modelo de serviço de sistema operacional que a Microsoft aplicou historicamente, até a estreia do Windows 10, em meados de 2015.

Ironicamente, será nos próximos anos que o comportamento de serviço do Windows 10 se tornará o que alguns usuários comerciais exigiam antes mesmo do lançamento do sistema operacional, seis anos atrás. A Microsoft deu a eles o que eles queriam na forma da edição LTSB (Long-term Servicing Branch), posteriormente alterada para LTSC, com o canal substituindo o Branch. Alguns anos depois, a Microsoft arrebatou o LSTB/LTSC dos clientes, principalmente.

Com o lançamento do Windows 11, a Microsoft se dobrou o máximo que pôde às pressões comerciais, reduzindo os lançamentos de atualização de recursos para um por ano e estendendo o suporte Enterprise/Education para 36 meses, para que os administradores de TI pudessem recuar para uma cadência de atualização uma vez a cada dois anos.

Para aqueles ainda insatisfeitos com a forma como a manutenção do Windows funcionou, a solução simples será manter o Windows 10 e sua nova manutenção no estilo Windows 7 até o outono de 2025, e se a Microsoft fornecer suporte estendido, conforme a Computerworld espera que irá, até 2028.

Não tem como dizer como o Windows 12 será operado quando ele acontecer.