Home  >  Inovação

WSJ vaza plano de saúde digital da Apple

Apple tem trabalhado para desenvolver seu próprio serviço de saúde baseado em assinatura, mas o esforço pode ter parado, segundo relatório

Jonny Evans, Computerworld

17/06/2021 às 16h30

Logo Apple
Foto:

Legenda: Adobe Stock

A Apple de fato tem pensado em lançar seu próprio serviço de saúde apoiado por médicos de verdade, confirmou o Wall Street Journal, embora os planos pareçam ter estagnado.

Uma Apple por dia mantém o médico pago

O interesse da Apple no setor remonta a anos. “A saúde é um grande problema em todo o mundo e achamos que ela está madura para a simplicidade e uma nova visão”, disse Tim Cook, CEO da Apple, em uma conferência em maio de 2016.

Falando em 2013, Charlotte Davies, analista da Ovum, então líder em Saúde e Ciências da Vida, me disse: “Mais e mais cuidados serão prestados fora de hospitais e clínicas... dispositivos móveis - de smartphones a dispositivos de monitoramento - se tornarão cada vez mais importantes conforme o número de pacientes atendidos em casa, em abrigos ou outros centros comunitários aumenta".

Sugerindo a escala da ambição da empresa, Cook disse ao Time 100 Summit em 2019: “Acho que chegará o dia em que as pessoas, olhando para trás, dirão que a maior contribuição da Apple para o mundo foi a saúde”. Cook tem consistentemente retornado a essa promessa desde então.

Qual é o prognóstico?

A história (via: Macrumors) em resumo parece ser:

  • A Apple deseja oferecer serviços básicos de saúde completos que usem dados médicos e de saúde coletados por iPhones e Apple Watch.
  • A empresa começou a trabalhar no plano em 2016, quando escrevi este artigo.
  • A oferta baseada em assinatura incluiria o acesso aos médicos da Apple em clínicas de saúde. (Eu vejo isso um pouco como Babylon Health.)
  • Como parte do trabalho, a Apple passou um tempo avaliando como os dados coletados pelo Apple Watch podem ser usados para melhorar a saúde.
  • O plano também incluía monitoramento de saúde contínuo, que imagino se estenderia a sistemas de monitoramento remoto de saúde.
  • A iniciativa parece estar sob a proteção de Jeff Williams, Diretor de Operações da Apple, e atualmente é administrada pelo Dr. Sumbul Desai, da Universidade de Stanford.
  • Já sabíamos que a Apple controla clínicas de saúde perto do Apple Park. Ela os usa para testar novos produtos e, aparentemente, também está testando seus serviços a partir daí.

A Apple já discutiu suas clínicas antes, dizendo que elas existem como iniciativas para a saúde interna dos funcionários, e o relatório do WSJ cita a resposta da Apple às alegações como mantendo essa linha. O relatório revela um aplicativo secreto da Apple chamado HealthHabit. Isso é oferecido aos funcionários para fornecer contato por bate-papo com médicos e para definir e enfrentar desafios de saúde.

Esta combinação de suporte médico remoto e gamificação de alvos de saúde não parece ter atingido o ponto ideal, pelo menos, ainda não - o relatório afirma que o uso do aplicativo é baixo. Os funcionários simplesmente não desenvolveram o hábito, ou assim parece.

Plano inteligente da Apple para saúde digital

Faz muito sentido que a Apple esteja explorando o potencial dos sistemas de monitoramento remoto de saúde. Seu trabalho com a Apple Watch e parcerias com seguradoras de saúde mostram que ela entende bem como os dados baseados em sensores podem contribuir para a saúde pessoal, assim como o investimento contínuo da empresa em pesquisas neste espaço.

Também é importante considerar a necessidade de transformação digital na área de saúde, a fim de fornecer cuidados em um planeta com uma população crescente e equipe médica treinada insuficiente. A ideia aqui deve ser que as tarefas de rotina podem ser automatizadas para permitir que os médicos lidem com cargas de trabalho maiores do paciente sem afetar a qualidade do atendimento prestado.

Na prática, é claro, provavelmente significa apenas que a Big Healthcare usará essas eficiências para maximizar a receita bruta. O mercado global de seguro saúde vale mais de US$ 3 trilhões, o que é um mercado tentador para qualquer empresa.

Ainda não está pronto para o horário nobre?

O Wall Street Journal parece acreditar que o esforço para criar um serviço de saúde com a marca Apple estagnou, mas estou inclinado a rejeitar essa avaliação. Meu palpite é que, para o projeto dar frutos, os desafios em torno da cobertura da rede e da aprovação regulatória devem ser resolvidos, junto com o crescente reconhecimento da Apple de que ela está em um equilíbrio cada vez mais delicado no qual deve evitar estender demais seu poder de mercado ou enfrentar ações regulatórias.

Ao mesmo tempo, os esforços da Apple em privacidade, desenvolvimento contínuo de sensores e software e sua rede de lojas de varejo de rua poderiam entrar em jogo caso ela decidisse oferecer tais serviços.

Espero que vejamos mais trabalho surgir à medida que as redes 5G proliferam e novos sensores de saúde aparecem. Porque, no final, estou convencido de que o Apple Watch e outros wearables conectados realmente se tornarão seu médico pessoal.

Embora até que o acesso a essas soluções esteja universalmente disponível, a saúde, assim como a privacidade, continuará sendo um serviço premium destinado a muitos, mas acessível apenas a alguns.