Home  >  Negócios

Uber anuncia meta de ter todos os veículos de carona do aplicativo 100% elétricos até 2030

Para isso, a empresa pretende tornar a condução de um VE mais lucrativo adicionando uma taxa extra na corrida

Da Redação

14/09/2020 às 8h30

Foto: Adobe Stock

A Uber anunciou que 100% das viagens do aplicativo de carona ocorrerão em veículos elétricos até 2030 nos Estados Unidos, Canadá e Europa, de acordo com o site The Verge. No resto do mundo, a companhia colocou 2040 como data-limite.

Para isso, a empresa pagará aos motoristas uma taxa extra nas viagens realizadas em veículos elétricos para incentivar a troca de veículos.

Desde o anúncio, o Uber está lançando sua sobretaxa “Uber Green” em 15 cidades nos Estados Unidos e Canadá. Por um dólar a mais, os passageiros podem solicitar especificamente um veículo híbrido ou elétrico.

Os motoristas que usam veículos híbridos ou elétricos para pegar passageiros receberão 50 centavos extras por viagem, enquanto os motoristas que usam veículos especificamente elétricos ganham outro dólar em cima disso - por um total de US$ 1,50 a mais por viagem.

Dessa forma, as viagens em veículos híbridos ou elétricos se tornarão um pouco mais caras para os clientes do Uber. A empresa vê isso como um custo necessário para ajudar a acelerar a transição para uma frota de emissões zero, diz o site. O Uber também gastará US $ 800 milhões de seu próprio dinheiro para ajudar “centenas de milhares de motoristas nos EUA, Canadá e Europa na transição para VEs com bateria até 2025”.

A empresa, entretanto, não obrigará os motoristas a dirigir veículos elétricos ou híbridos, mesmo na data-alvo de 2030. Ela acredita que a mudança gerará naturalmente melhores resultados, incentivando os motoristas a fazer a transição, e não punindo-os.

A estratégia adotada pelo Uber vai ao encontro da contestação de que as viagens de carona seriam mais ecológicas do que outras formas de condução. No entanto, estudos mostram que mais da metade de todas as viagens de carona nas grandes cidades são feitas por pessoas que, de outra forma, teriam usado meios de transporte mais limpos para chegar ao seu destino, de acordo com o site.

A publicação diz que uma pesquisa indica que viagens de carona apresentam 50% mais poluição do que uma viagem de carro tradicional.

Fazer com que milhões de pessoas que dirigem Uber mudem para veículos elétricos será, sem dúvida, a parte mais difícil do plano da empresa, pois isso dependeria de um interesse pessoal de grande parte dos motoristas que usam veículos pessoais para rodar o aplicativo.

Em 2018, diz a publicação, o Uber explorou o fornecimento de incentivos em dinheiro para alguns motoristas da América do Norte que mudassem para veículos elétricos, mas nunca expandiu o programa além da fase piloto original.

De acordo com o The Verge, a Uber afirma que pretende fazer parceria com uma variedade de partes interessadas - incluindo montadoras, operadoras de aluguel de automóveis, empresas de carregamento de veículos elétricos e outros - no que provavelmente será um grande esforço para atingir seu objetivo ambicioso de uma "plataforma de emissões totalmente zero até 2040”.

O Uber trabalhará com montadoras - General Motors nos Estados Unidos e Canadá, e Renault-Nissan em cidades no Reino Unido, França, Holanda e Portugal - para “estender ofertas atraentes” aos motoristas de veículos elétricos. Ela funcionará com a locadora de veículos Avis para tornar os VEs mais acessíveis para os motoristas alugarem.

Para alcançar a meta, o Uber diz que também precisará “urgentemente de uma colaboração mais robusta entre as partes interessadas da indústria e do governo" para a transição para a mobilidade elétrica.

Clean Air Plan

O projeto Clean Air Plan (Plano de Ar Limpo) também vai ao encontro de projetos de redução de carbono na Europa. Um relatório recente do grupo europeu de pesquisa e campanha Transporte e Meio Ambiente, conta o site, mostra uma correlação entre o aumento no número de motoristas que compartilham carona nas principais cidades europeias e os níveis crescentes de poluição do ar. Vários países europeus já possuem leis que regulam a venda de veículos movidos a gás e estabelecem incentivos para aumentar o número de veículos elétricos e com emissão zero.

Na Inglaterra, em 2019, por exemplo, o Transport for London determinou que os veículos particulares de aluguel, incluindo o Uber, não estariam mais isentos da taxa de congestionamento diária de £ 11,50 para dirigir no centro de Londres.

Apenas veículos com emissão zero ainda estarão isentos do pagamento da taxa - o que explica em parte a urgência do Uber em fazer com que seus motoristas mudem de gasolina para VEs, diz o site.

Na França, o Uber planeja definir parte de seu próprio dinheiro para ajudar os motoristas franceses a comprar veículos elétricos. Na Noruega, o principal mercado elétrico da Europa à frente da Alemanha, um em cada três carros comprados é um VE.

O país, inclusive, trabalha na instalação do primeiro sistema de carregamento de táxis elétricos do mundo para ajudá-lo a atingir uma frota de táxis com emissão zero em todo o país até 2023.

Enquanto isso, vários outros países estabeleceram metas para proibir carros e vans tradicionais, com a Noruega apontando para 2025 e a França e o Reino Unido para 2040 e 2050, respectivamente.

De acordo com a publicação, os Estados Unidos estão atrás da maior parte do mundo em termos de política climática e têm resistido aos esforços de apoio à indústria de carros elétricos por meio de incentivos e créditos fiscais.

O transporte é o setor que responde por quase um terço de todas as emissões de gases de efeito estufa do país. E até agora, os esforços para controlar sua poluição praticamente falharam. Os gases de aquecimento do planeta provenientes do transporte cresceram mais em termos absolutos do que qualquer outro setor entre 1990 e 2017, de acordo com a Agência de Proteção Ambiental, diz o site.

Em junho, a Lyft também anunciou que faria a transição de 100% de sua frota para veículos elétricos até 2030.

“Embora não sejamos os primeiros a definir metas ambiciosas na transição para VEs”, disse o CEO do Uber, Dara Khosrowshahi, em uma carta, “pretendemos ser os primeiros a fazer isso acontecer”.

Tags