Home  >  Negócios

Serviços bancários estão mais presentes dentro das comunidades

De acordo com pesquisa "Economia das Favelas", 69% dos moradores que vivem no local já possuem algum serviço financeiro

Da Redação

27/01/2020 às 14h00

Foto: Shutterstock

O surgimento de agencias dentro de comunidades, em conjunto com o uso fácil de aplicativos financeiros, contribui para o acesso de quem mora em uma favela a serviços bancários. A conclusão faz parte de uma pesquisa chamada "Economia das Favelas", desenvolvida pelos institutos Data Favela e Locomotiva

De acordo com o levantamento, feito com pessoas acima de 16 anos de idade, 69% dos moradores de comunidades possuem uma conta corrente, poupança ou ambos os serviços. Na pesquisa anterior, feita em 2013 pelo Data Favela, o percentual era de 53%. 

De acordo com Renato Meirelles, do instituto Locomotiva, a maioria dos entrevistados (60%) possui contas somente em bancos tradicionais (Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú etc), enquanto apenas 2% do público tem cadastro apenas em serviços digitais. Do público total, 7% afirmou ter contas nos dois tipos de instituição. 

Um fator essencial para a bancarização desse grupo (e também o que explica a prevalência por empresas tradicionais) foi a decisão dos bancos físicos abrirem agências dentro de favelas e ofertarem. 

Apesar de 91% dos entrevistados possuírem um smartphone, o dispositivo praticamente não é usado para movimentações financeiras. Do total de entrevistados, menos da metade acessa a conta pelo app.

Dentre as pessoas que afirmaram se conectar pelo celular 90% consultam o saldo da conta e 48% fazem o pagamento de boletos. Apenas 5% usam a internet para fazer aplicações financeiras. 

*Com informações do Valor Econômico