Home  >  Negócios

Oracle expande disponibilidade com segunda região de nuvem no Brasil

Estrutura em Vinhedo apoirá negócio de nuvem da Oracle, que já responde por cerca de 70% das receitas no Brasil

Redação

14/05/2021 às 18h00

Foto:

Dois anos após inaugurar sua primeira região de nuvem no Brasil, a
Oracle anunciou nesta quarta-feira (12) a disponibilidade de uma segunda
zona do tipo no país, localizada em Vinhedo. Junto com São Paulo e
Santiago, a estrutura é a terceira da Oracle na América Latina.

A nova região em solo brasileiro é parte do esforço global da
companhia em expandir sua oferta de nuvem ao redor do mundo. Até o final
de 2021, a meta da Oracle é operar 38 regiões de nuvem no mundo, sendo a
nova infraestrutura no Brasil a 30ª da lista.

Segundo a empresa, o Brasil foi selecionado para receber mais uma
região por conta da demanda de clientes locais, que apontaram a
necessidade de executar cargas de trabalho críticas em regiões de nuvem
totalmente independentes para fins de continuidade de negócio.
Requisitos de residência e soberania de dados também foram levados em
consideração para a decisão.

A estrutura apoiará ainda o crescimento continuado dos serviços de
nuvem da organização na região, que foi acelerado pelo processo de
digitalização experimentado por clientes da Oracle durante a pandemia da
Covid-19. Segundo Rodrigo Galvão, presidente da Oracle no Brasil, cerca de 70% das receitas da organização no país já vêm dos serviços de nuvem.

Leia também: ‘É mais fácil concorrer contra multinacionais do que com startups’, diz CEO da Senior

“Temos a certeza de que, com o nosso plano de expansão de
infraestrutura na nuvem, continuaremos a apoiar o crescimento das
empresas, bem como democratizar o uso da tecnologia em todo o País.
Incentivar os negócios dos diversos setores com inovação e, por
consequência, gerar impacto positivo na sociedade. Isso faz parte da
nossa visão”, afirmou.

Entre os projetos de nuvem mais recentes da companhia no Brasil está uma parceria com a operadora de telecomunicações TIM, que está migrando seus dados de missão crítica para uma combinação entre Oracle Cloud e Azure, da Microsoft. Clientes como SKY, Rumo e Sky.One também serão beneficiados pela nova estrutura da companhia.

A Oracle Cloud Infrastructure (OCI) Gen2 de Vinhedo terá
disponibilidade contínua de até 99,995% e baixa latência para
intercomunicação com a zona da Oracle de São Paulo, geograficamente
próxima da nova região de data centers. A região, no entanto, opera de
forma independente da primeira estrutura da Oracle, sendo abastecida por
provedores de energia, estrutura de telecomunicações e camada de
software independentes.

A nova região também traz para o Brasil uma nova arquitetura para
aplicações críticas em nuvem que requerem disponibilidade contínua,
aplicações distribuídas com baixa latência entre regiões, distribuição
de carga de processamento, contingência regional (DR-Disaster Recovery),
backups em região diferente onde os dados são gerados e multicloud
nativa entre OCI.

Leia mais: Oracle busca transformação cultural através de colaboração e transparência

Os serviços disponibilizados na estrutura serão mesmo da região
pioneira do país, incluindo Oracle Autonomous Database ou Oracle Cloud
VMware Solution (OCVS), Oracle Cloud Infrastructure Container Engine
para Kubernetes (OKE) e serviços de Segurança Avançada, estão
disponíveis em ambas as regiões, trazendo mais alta disponibilidade.

A estrutura é ainda a primeira da Oracle com abordagem multicloud,
com interconexão nativa com uma região próxima de Azure operada pela
Microsoft. A conexão entre estruturas das duas empresas já era uma
realidade em outras regiões de nuvem da Oracle no mundo, e chegou ao
Brasil motivada pelo projeto de migração da TIM, operado entre Oracle e
Microsoft.

Com a ligação, clientes de ambas nuvens podem ver serviços e recursos
na outra infraestrutura como se fossem seus, sem precisarem se
preocupar com detalhes de interconexão entre esses ambientes. “Quando
você fala em multicloud, uma das dificuldades é quando você tem que
conversar com as nuvens. Com essa interconexão, além da rapidez de
entrega e tempo de resposta, o suporte técnico passa a ser mais simples e
transparente para o cliente”, comentou Galvão.