Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Últimos favoritos Ver todos
Home  >  Negócios

Oi quer vender divisão de telefonia celular para encerrar recuperação judicial

Companhia emitiu um aditamento sugerindo dividir e vender por R$ 15 bilhões área relacionada ao negócio móvel; documento ainda precisa ser aprovado

Da Redação

17/06/2020 às 8h00

Foto: Shutterstock

Confirmando uma hipótese apresentada no ano passado, a Oi publicou nesta segunda-feira (15) um fato relevante na qual publica um aditamento (nome que se dá à complementação de um documento oficial) do seu plano de recuperação judicial (PRJ), que propõe a venda de divisões inteiras da empresa para se concentrar em seu serviço de fibra ótica e sair das dívidas. 

O aditamento, que ainda precisa passar por votação da assembleia de credores e pela 7ª Vara Empresarial da Comarca da Capital do Estado do Rio de Janeiro, onde a recuperação judicial está em juízo, propõe a venda de alguns ativos para reposicionar o modelo de negócios da empresa, como foco em tecnologias de fibra ótica e investimentos para comportar a tecnologia de conexão 5G. 

“Com isso, busca-se tornar o modelo de negócio do Grupo Oi mais
sustentável, focado nas suas principais vantagens competitivas,
estruturado de maneira eficiente e focada, e assegurar a continuidade do
Grupo Oi e o consequente cumprimento dos meios de recuperação e pagamento de todos os créditos concursais”, explica trecho do documento. 

Divisão e valores propostos 

O aditamento propõe a criação das chamadas unidades produtivas isoladas (UPIs), divisões que poderiam ser negociadas e colocadas à venda. O documento nomeia quatro UPIs: 

  • UPI Ativos móveis 

Divisão que concentra a operação da Oi Móvel, de telefonia de dados e comunicação móvel. Para esse negócio, a empresa quer emitir 100% das ações e vendê-la ao preço mínimo de R$ 15 bilhões em dinheiro. 

  • UPI Torres 

Focada nos serviços de infraestrutura de transmissão e radiofrequência, a divisão abrange torres móveis e redes de locais de grande circulação como hotéis, mercados, shoppings etc. Para essa operação, a Oi esperar colocar 100% das ações à venda por um preço mínimo de R$ 1 bilhão em dinheiro. 

  • UPI Data center 

Abrange os cinco data centers que a empresa tem à disposição, negociados ao preço mínimo de R$ 325 milhões em dinheiro 

  • UPI InfraCo 

Reúne a operação de redes de telecomunicações, como fibra ótica (FTTH). Para essa divisão, a Oi pretende vender apenas parte do negócio (até 51%) para manter dividendos da operação, que será vendida ao preço mínimo de R$ 6,5 bilhões. 

Finalização das dívidas e reforços das operações 

Com a venda da divisão de telefonia, a Oi consegue ao mesmo tempo sair do estado de recuperação judicial (no qual ela está desde 2016) e, com a venda de outros ativos, reforçar o caixa para investir em novos negócios 

“Nos termos do Aditamento ao PRJ, a recuperação judicial será encerrada mediante a liquidação e efetiva transferência da UPI Ativos Móveis para o seu respectivo adquirente, ou em prazo inferior, caso aprovado pelo Juízo da RJ após requerimento das Recuperandas nesse sentido”, afirma trecho do aditamento. 

A divisão de participação da UPI InfraCon também reforça o objetivo já levantado pela empresa no início deste ano para consegui rum parceiro de negócios para ampliar os investimentos no setor de fibra ótica. 

“Com tais medidas, busca-se que este conjunto de ativos seja suficiente para garantir a continuidade das atividades da Companhia e o pagamento de suas dívidas nos termos do Aditamento ao PRJ”, explica  empresa no documento. 

Tags


Snippets HTML5 default Intervenções CW

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15