Home  >  Negócios

Mercado de PCs cresce quase 20% no primeiro trimestre de 2021

Índice positivo reflete movimento de pequenas, médias e grandes empresas, governo e do setor educacional

Redação

28/06/2021 às 16h15

computador
Foto:

Legenda: Shutter Stock

O mercado brasileiro de PCs registrou um crescimento de 19,7% no primeiro trimestre de 2021, em um total de 1.772.417 computadores vendidos. A alta mais expressiva, de 24,4%, ocorreu no mercado corporativo, que respondeu por 681.930 máquinas, enquanto o varejo ficou com 1.090.487 equipamentos e crescimento de 17% ano contra ano. Os dados são do IDC Brazil PCs Tracker.

Segundo Reinaldo Sakis, gerente de pesquisa e consultoria de Consumer Devices da IDC Brasil, o avanço do mercado corporativo é destaque entre os dados. "Esse número corrobora o que muitos fabricantes têm comentado sobre o comportamento de pequenas, médias e grandes empresas, que repetiram o movimento do início da pandemia, especialmente pela corrida por notebooks para o home office", afirma. 

O gerente de pesquisa destaca também as entregas de projetos para o governo e para a educação, que seguiram fortes e em linha com uma tendência que a IDC já havia apontado.

Ainda de acordo com os dados do estudo, o varejo também se manteve aquecido e ainda pelas demandas geradas pelo home office, aulas remotas e entretenimento. Os notebooks continuam tendo a preferência: das 1.090.487 máquinas destinadas ao consumidor final no 1º trimestre de 2021, 944.753 foram portáteis e 145.734 foram desktops.

O levantamento revela informações sobre os preços das máquinas, que foram impactados pelo ajuste do ICMS no começo de janeiro e ficaram cerca de 20% mais caros. No primeiro trimestre do ano passado, um desktop custava, em média, R$ 3.146 e um notebook, R$3.692. Nos três primeiros meses de 2021, os preços médios foram para R$3.842 e R$4.450, alta de 22,1% e 20,5%, respectivamente, segundo a IDC Brasil. Com o aumento nas vendas e nos preços, a receita total do mercado de computadores cresceu 45,9% e chegou a R$6,66 bilhões.

Outro tema muito forte do ano passado e que se manteve no primeiro trimestre de 2021 foi a falta de componentes e, consequentemente, de produtos. Segundo a IDC Brasil essa situação pode se prolongar até o final deste ano ou até o ano que vem. 

"Isso não impede o mercado de continuar crescendo, mas atrapalha, pois se de um lado temos uma demanda crescente e muito forte, por outro vemos dificuldade na oferta, já que a produção global de componentes e microprocessadores continua bastante comprometida", explica Sakis.