Home  >  Negócios

Google quer transformar YouTube em canal de compras on-line

A gigante de tecnologia quer que cada produto visto no canal de vídeos possa ser vendido on-line, diretamente pelo YouTube

Da Redação

14/10/2020 às 11h00

Foto: Adobe Stock

O Google pretende transformar o YouTube em um canal, também, de vendas digital. O maior site de vídeo do mundo recentemente começou a pedir aos criadores que usassem o software do YouTube para marcar e rastrear produtos apresentados em seus clipes, de acordo com a Bloomberg.

A empresa já testa merchandising e coleta e de dados como ferramentas para efetuar as análises e fortalecer os negócios.

Pessoas familiarizadas com o assunto disseram ao Bloomberg que o objetivo é converter a abundância de vídeos do YouTube em um vasto catálogo de itens que os espectadores podem ler, clicar e comprar diretamente. A empresa também está testando uma nova integração com a Shopify Inc. para a venda de itens por meio do YouTube.

Um porta-voz do YouTube confirmou ao site de notícias que a empresa está testando esses recursos com um número limitado de canais de vídeo. Os criadores terão controle sobre os produtos exibidos, disse o porta-voz. A empresa descreveu isso como um experimento e se recusou a compartilhar mais detalhes, diz a Bloomberg.

O Google tem dado passos significativos para tornar o YouTube um concorrente das líderes do comércio eletrônico, como Amazon e Alibaba.

Possibilidades

Ainda não está claro como se transformará em um forte canal de anúncios em um canal de vendas direta, entretanto, o serviço começou a oferecer assinaturas para criadores e leva uma redução de 30% desses pagamentos.

“O YouTube é um dos ativos menos utilizados”, disse ao site Andy Ellwood, Presidente da startup de comércio eletrônico Basket. “Se eles decidiram que querem investir nisso, é uma grande oportunidade para eles”.

A Google fez várias tentativas de comércio on-line, com sucesso limitado. Segundo a Bloomberg, no entanto, a pandemia afetou sua receita de marketing, principalmente nos setores de viagens e varejo físico, que são os principais anunciantes do Google.

Enquanto isso, o e-commerce cresceu muito com a mudança de comportamento de compra das pessoas durante o isolamento social.

Há meses, os executivos da Google sinalizam que o YouTube será fundamental para sua estratégia de comércio eletrônico.

Ainda de acordo com a Bloomberg, em uma recente ligação sobre lucros, Sundar Pichai, Diretor Executivo, sugeriu que o mar de vídeos populares de "desembalagem" de produtos do YouTube poderia ser transformado em uma oportunidade de compra.

Entre as iniciativas que aproximam o YouTube de efetuar vendas on-line está a recente reformulação da divisão de e-commerce e pagamentos. Em julho, ela anunciou um plano para atrair comerciantes para o Google Shopping, sua loja on-line, que incluía uma integração com o Shopify, para que os vendedores pudessem gerenciar seu estoque.

No final do ano passado, o YouTube começou a testar uma integração semelhante com o Shopify para criadores que podem listar até 12 itens à venda em um carrossel digital abaixo de seus vídeos, de acordo com a empresa.

Essas iniciativas para diversificar receita estão levando o site a,
no mínimo, a ajudar o canal a aprofundar os dados que coleta de vídeos
para fortalecer seu negócio de anúncios.