Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Últimos favoritos Ver todos
Home  >  Negócios

EUA incluem fabricantes chinesas de supercomputadores em ‘lista negra’

Relação de entidades 'proibidas' inclui também a joint venture entre AMD e a chinesa THATIC, estabelecida em 2016

Mark Hachman, PC World EUA

24/06/2019 às 16h00

Foto: Shutterstock

A administração de Donald Trump tem adotado medidas adicionais contra a China, colocando várias das principais empresas de supercomputação do país na chamada "lista de entidades" com as quais as empresas dos EUA estão proibidas de fazer negócios. Atualmente, o participante mais famoso dessa lista é a Huawei.

O New York Times notou que cinco empresas foram adicionadas à lista de entidades, incluindo algumas com participantes entre os supercomputadores mais rápidos do mundo, conhecida como a lista Top500. Os novos participantes da lista de entidades também incluem a THATIC, uma joint venture que a AMD estabeleceu com o governo chinês em 2016 para licenciar um chip x86 para uso na China.

O Departamento de Comércio dos EUA é responsável pela lista de entidades, que inclui empresas nas quais a agência diz que há "motivos razoáveis para acreditar... que estão envolvidas, ou apresentam um risco significativo de se envolverem em atividades contrárias à a segurança nacional ou a política externa dos Estados Unidos”.

As empresas dos EUA estão proibidas de fazer negócios e fornecer componentes para as empresas colocadas na lista de entidades, embora exceções possam ser concedidas. Embora a China tenha desenvolvido seus próprios microprocessadores, isso significa que as empresas dos EUA seriam proibidas de enviar PCs e outros componentes para os membros da lista de entidades. Muitos supercomputadores, por exemplo, usam GPUs da Nvidia.

As cinco empresas adicionadas à lista provavelmente não serão familiares nem para os fãs da indústria de tecnologia: Chengdu Haiguang Integrated Circuit, Chengdu Haiguang Microelectronics Technology, Higon, Sugon e o Instituto de Tecnologia de Computação de Wuxi Jiangnan.

Ao longo dos anos, no entanto, muitas dessas empresas participaram da lista Top500 de supercomputadores. À medida que as empresas constroem novos supercomputadores e novos componentes são introduzidos, o lugar de um supercomputador na lista normalmente cai ao longo do tempo. Mas a Sugon, por exemplo, fabricou o Sistema de Computação Avançada (PreE), o 43º supercomputador mais poderoso do mundo em junho de 2019.

Sugon, o Instituto de Tecnologia da Computação de Wuxi Jiangnan e a Universidade Nacional de Tecnologia de Defesa estão todos envolvidos no desenvolvimento de supercomputadores de classe exascale, que o governo dos EUA acredita que poderiam ser ou estão sendo usados para fins militares.

Silenciosamente, as empresas chinesas começaram a desenvolver seus próprios processadores de classe mundial, embora você não os veja em PCs ou mesmo em servidores enviados para fora dos Estados Unidos. Acredita-se que o Instituto Wuxi Jiangnan, por exemplo, tenha desenvolvido os chips Sunway, que alimentam o Sunway TaihuLight, o terceiro supercomputador mais poderoso do mundo. O TaihuLight era um sistema desenvolvido pelo Centro Nacional de Pesquisa de Engenharia e Tecnologia de Computadores Paralelos da China (NRCPC) e instalado no Centro Nacional de Supercomputação em Wuxi. Ele possui mais de 10 milhões de núcleos Sunway SW26010, gerando mais de 93 petaflops de capacidade de computação.

O PreE da Sugon usa mais de 160.000 núcleos do Hygon Dhyana, o chip originado da parceria THATIC com a AMD. Lisa Su, CEO da AMD, subestimou a relação THATIC na última Computex, dizendo que a licença cobria uma "única geração de dispositivos tecnológicos".

As adições à lista de entidades são apenas as últimas ações da Administração Trump contra a China, já que os EUA também buscam impor tarifas sobre a importação de produtos chineses. Essas tarifas, de acordo com a Consumer Technology Association, adicionarão mais de US$ 100 ao preço de um notebook típico.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15