Home  >  Negócios

De olho no futuro, Nvidia compra fabricante de chips Arm por US$ 40 bilhões

Com aquisição, companhia espera reunir tecnologias e se posicionar como líder de ofertas para inteligência artificial

Da Redação

14/09/2020 às 13h30

Foto: Nvidia

Na tarde deste domingo (13), a Nvidia anunciou ao mercado ter adquirido a divisão de chips da Arm, companhia que pertencia ao SoftBank, por US$ 40 bilhões. Na negociação, ficou definido que a fabricante de San Jose pagará US$ 21,5 bilhões em ações e US$ 12 bilhões em dinheiro, além de US$ 2 bilhões no ato da assinatura dos papéis e US$ 1,5 bilhões para os acionistas da ARM. O valor da compra (US$ 37 bilhões) pode chegar a US$ 40 bilhões caso a ARM atinja certas condições desempenho. 

A formalização do negócio foi positiva para o SoftBank, que está vendendo a companhia por um valor maior (US$ 31,4 bilhões) do que a compra em 2016 e ainda terá cerca de 10% das ações da Nvidia.  

Assim como a Nvidia, a Arm atua no mercado de processadores (e também semicondutores), produzindo chips para diferentes mercados e uso, lenciando suas soluções para empresas como Samsung, LG, Apple e Qualcomm.

Com a união de serviços, a expectativa da Nvidia é se posicionar como líder disparada dentro do mercado de chips para inteligência artificial, sendo capaz de suprir uma demanda que tem tudo pra explodir nos próximos anos. 

“AI é a força de tecnologia mais poderosa de nosso tempo e lançou uma nova onda de computação”, disse em comunicado Jensen Huang, fundador e CEO da NVIDIA.

“Nos próximos anos, trilhões de computadores executando IA criarão uma nova internet das coisas que é milhares de vezes maior do que a internet das pessoas de hoje. Nossa combinação criará uma empresa fabulosamente posicionada para a era da IA", completa

De início os negócios de ambas as empresas continuarão sendo levados de forma separada e a Arm manterá parte do seu sistema de licenciamento de produtos para outras marcas. Como forma de aproximar os negócios, a Nvidia reforçará sua presença no Reino Unido, criando uma nova instalação dedicada a pesquisas de inteligência artificial.