Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Últimos favoritos Ver todos
Home  >  Inovação

Computação de Borda: 5 potenciais armadilhas

A computação de borda tem muitas vantagens, incluindo melhor resposta e analytics em tempo quase real para IoT, mas está longe de ser plug and play

Bob Violino, Network World

15/10/2021 às 10h45

edge computing
Foto:

A computação de borda está ganhando força como estratégia de TI corporativa com organizações que buscam levar armazenamento e análise para mais perto de onde os dados são coletados, como em redes IoT. Mas tem seus desafios.

Suas vantagens potenciais são inegáveis, incluindo latência aprimorada, bem como largura de banda WAN e custos de transmissão reduzidos. Como resultado, as empresas a estão adotando. As receitas no mercado de computação de borda foram de US$ 4,68 bilhões em 2020 e devem chegar a US$ 61,14 bilhões em 2028, de acordo com um relatório de maio de 2021 da Grand View Research.

Mas a borda também está repleta de dificuldades potenciais, e as empresas precisam estar preparadas para enfrentá-las se esperam colher os benefícios. Aqui estão alguns dos obstáculos que as organizações podem enfrentar ao implantar a computação de borda, alguns dos quais podem não ser óbvios.

Escolhendo a melhor abordagem

Como a computação de borda ainda é relativamente nova, não há uma base estabelecida de histórias de sucesso ou métricas que comprovem seu valor para os tomadores de decisão de TI.

“Acho que um dos maiores desafios para decisões de borda agora, sobre o qual ninguém realmente fala, é que há muito poucos dados de desempenho do mundo real disponíveis para ajudar a conduzir as decisões de implantação de borda”, diz Jennifer Cooke, diretora de Pesquisa, Estratégias de Borda, no IDC.

Além disso, há muitas opções para escolher – no local, hospedado no local, gerenciado por ISPs ou provedores de nuvem – e classificá-los pode estar além da capacidade de muitas empresas.

“Há uma infinidade de opções lá fora, mas muitas vezes é difícil para as organizações navegar”, diz Cooke. “A realidade é que as soluções de borda exigem muita coordenação entre os diferentes provedores – do banco de dados e aplicativos à infraestrutura e, em seguida, à conectividade. Por esse motivo, muitas organizações estão recorrendo a parceiros para montar o ecossistema para eles”.

Como parte do processo, essas organizações devem buscar parceiros de integração de borda que possam quantificar o aumento de desempenho e as reduções de custo que os fornecedores promovem.

“Eu também observei uma mudança recente de atitude [faça você mesmo] em implantações de borda para aceitar que muitas vezes é melhor confiar em parceiros para gerenciar recursos de borda”, disse Cooke. “A pandemia realmente acelerou essa tendência, mostrando às organizações que o monitoramento remoto e a ajuda de parceiros para o gerenciamento funcionaram muito bem”.

Riscos de segurança e especialização

Como com qualquer outra coisa relacionada à TI, a borda tem seu próprio conjunto de ameaças e vulnerabilidades de segurança.

“Como uma organização considera totalmente as muitas camadas e subsegmentos e atinge um ambiente de confiança zero?”, questiona Matt Kimball, analista sênior de Data Center da Moor Insights & Strategy.

“Isso deve incluir infraestrutura, rede, a pilha de software completa e a integração de todos esses elementos diferentes uns com os outros, a nuvem e consoles de gerenciamento e monitoramento”, diz Kimball. “Este segmento de mercado é tão diversificado e, de certa forma, tão específico que os CISOs e executivos de TI precisam investir pesadamente nas pessoas encarregadas de projetar e implementar uma estratégia holística. E essas pessoas são difíceis de encontrar”.

Os riscos de segurança que as organizações devem ter em mente antes de formular uma estratégia de borda incluem o número potencialmente enorme de dispositivos IoT e a infraestrutura de suporte que a borda exige, bem como os enormes volumes de dados que eles geram – todos os quais precisam ser protegidos para proteger os dados e a rede.

Alguns fornecedores oferecem ferramentas para ajudar a reforçar a segurança de borda, diz Kimball. “Mas, novamente, o desafio é encontrar pessoas que possam dar sentido a todos esses desafios, soluções concorrentes e projetar um ambiente de confiança zero - um que seja totalmente integrado do dispositivo à borda, à nuvem e ao data center", diz ele.

Apoio à gestão de dados e analytics

Ser capaz de analisar dados no limite e obter insights da análise é um dos aspectos atraentes desse ambiente, mas o processo não é fácil para as empresas.

“A borda é basicamente uma declaração de problema de gerenciamento de dados distribuídos em grande escala”, diz Vijoy Pandey, vice-presidente de Engenharia e CTO, de Tecnologias Emergentes e Incubação da Cisco.

O gerenciamento de dados e a ciência de dados são tão importantes quanto a segurança para o sucesso comercial das organizações, afirma Kimball. “Não deveria ser surpresa que a empresa que pode obter mais rapidamente pepitas de inteligência dos montes de dados gerados a cada segundo seja a empresa mais bem posicionada para vencer”, diz ele.

Assim como a segurança, a ciência de dados é difícil e os profissionais escassos, diz Kimball. “E eu acredito que isso seja tão técnica quanto arte”, diz ele. “As ferramentas devem estar disponíveis para obter os melhores insights. Mas um bom cientista de dados entende as nuances de quais dados são mais importantes para o negócio. E, assim como a segurança, o pessoal que é bom nisso está em alta demanda”.

Esta é uma área em que as organizações podem se beneficiar de uma perspectiva externa, diz Kimball. “Existem organizações de consultoria, VARs e especialistas que entendem muito bem esse espaço e tiveram sucesso na implantação de data edge”, diz ele. “Como ex-executivo de TI, posso dizer que detestei ter que sair da minha organização para conduzir iniciativas de TI. Mas eu também sabia que contar com ajuda externa para águas desconhecidas sempre compensava”.

Preparando a infraestrutura de TI

Criar uma rede para oferecer suporte à computação de borda leva tempo, dinheiro e conhecimento - recursos que nem todas as organizações possuem.

“A TI é usada para enviar alguns servidores e implementar o backup necessário para a conectividade do escritório doméstico”, diz Kimball. “Olhe para qualquer rede [varejista] e você verá alguns servidores que são usados ​​para se conectar ao escritório doméstico e executar operações localmente em caso de falha na conectividade”.

Mas, com as implantações de IoT e a necessidade de armazenamento e processamento de dados mais complexos no limite, agora esses ambientes precisam fazer mais do que simplesmente executar o back office, diz Kimball. “Como resultado, implantar e gerenciar esses ambientes é mais crítico e desafiador do que nunca”, diz ele.

Em geral, uma boa prática é manter as coisas simples quando se trata de infraestrutura e operações de TI, diz Kimball. “Acredito que a maioria dos fornecedores de soluções de TI tem ofertas viáveis ​​e sólidas de uma perspectiva de infraestrutura de hardware e software”, diz ele.

Por isso, ele sugere que, quando os executivos de TI procuram investir em infraestrutura de borda, devem começar por considerar os fornecedores que já conhecem.

“Se você é uma loja de TI padronizada em Dell, provavelmente este é o seu melhor ponto de partida para infraestrutura de borda”, diz Kimball. “Da mesma forma HPE, Lenovo, Cisco, Supermicro, etc.”

A Duos Technologies, que fornece sistemas automatizados de borda para operadoras ferroviárias, enfrenta desafios em fornecer conectividade e energia ao implantar esses sistemas em áreas remotas.

“Mas esses são obstáculos relativamente simples de escalar na maioria dos casos”, diz Scott Carns, diretor comercial da Duos. Mais desafiador é encontrar servidores robustos que possam operar no mesmo ambiente. “A maioria dos servidores é projetada para ser instalada em data centers e ambientes de TI físicos, com sistemas de controle ambiental e de energia perfeitos”.

A computação de borda para os aplicativos da Duos Technologies requer hardware robusto e bem projetado. Embora seus servidores sejam montados em gabinetes ou racks tradicionais, “o ambiente operacional não tem o mesmo nível de continuidade e proteção que um data center forneceria”, diz Carns.

Dimensionamento sem criar complexidade

A borda tem o potencial de ser extraordinariamente complexa, devido ao número de sistemas, dispositivos e aplicativos envolvidos.

“A maioria dos investimentos em borda [tem sido] impulsionada pela necessidade de resolver um problema de negócios específico por um proprietário de empresa que não seja de TI”, diz Gil Shneorson, vice-presidente sênior de portfólio de borda da Dell.

Como resultado, as organizações podem ter vários dispositivos de borda individuais executando tarefas específicas e operando em sua própria infraestrutura. Cada solução foi comprada, implantada, gerenciada e protegida de forma independente ao longo do tempo, levando a uma expansão ineficiente da infraestrutura no limite, diz Shneorson.

“Estamos vendo uma transição no setor em que a TI é chamada no início do processo para que possam aplicar as melhores práticas de TI e pensamento estratégico ao ambiente de borda em vários casos de uso”, diz ele.

Ser chamado antes é uma boa ideia, mas para muitas equipes de TI, isso significa ter que arquitetar uma infraestrutura única, flexível e eficiente para dar suporte a mais tarefas de borda. A TI precisa se consolidar mesmo com a expansão da borda, “modernizando sua base de tecnologia de borda e pipelines de dados com arquitetura, operações e gerenciamento de nuvem híbrida consistentes, para que possam obter o máximo valor dos dados em casos de uso, sites e nuvens”, diz Shneorson. Enfrentar esse desafio é um grande passo à frente.

Snippets HTML5 default Intervenções CW

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15