Home  >  Negócios

Airtable levanta US$ 185 milhões para investir em low code e automação

Companhia é famosa por sua solução que cria planilhas amigáveis utilizando a base de dados incluída pelos usuários

Da Redação

23/09/2020 às 10h02

Foto: Reprodução Airtable

A Airtable, cloud startup e plataforma sem código, anunciou uma rodada de financiamento Série D que conseguiu captar US$ 185 milhões. A rodada, liderada pela Thrive Capital, colocou a empresa em uma avaliação pós-dinheiro de US$ 2,5 bilhões. Com isso, a Airtable, que afirma ter agora 200.000 empresas usando seu serviço, arrecadou um total de cerca de US$ 350 milhões desde 2013, de acordo com o site TechCrunch. Os clientes atuais incluem Netflix, HBO, Condé Nast Entertainment, TIME, cidade de Los Angeles, MIT Media Lab e IBM.

A Thrive Capital liderou a rodada, com financiamento adicional dos investidores existentes Benchmark, Coatue, Caffeinated Capital e CRV, bem como do novo investidor D1 Capital.

Com isso, a empresa anunciou que está lançando uma de suas maiores atualizações de recursos. A atualização começa a ser executada na visão geral da plataforma da empresa, que vai além de seus recursos atuais sem código, e traz ferramentas para o serviço, mais recursos de baixo código, bem como novos automação e gerenciamento de dados, diz o site.

Howie Liu, CEO da Airtable, disse ao TechCrunch que vários investidores abordaram a empresa desde que ela levantou sua rodada da Série C, em 2018, em parte porque o mercado percebeu claramente o tamanho potencial do mercado de baixo código/sem código.

“Acho que há um reconhecimento crescente do mercado de que o espaço é real e muito grande […]”, disse ele. “Embora não precisássemos estritamente do financiamento, isso nos permitiu continuar a investir agressivamente para promover nossa plataforma, visão e realmente executar agressivamente, […] sem ter que nos preocupar com, 'bem, o que acontece com a Covid?' muita incerteza, certo? E eu acho que até hoje ainda há muita incerteza sobre o que o próximo ano irá suportar”.

A empresa começou a abrir a rodada alguns meses após os primeiros pedidos de abrigo na Califórnia e, para a maioria dos investidores, esse foi um processo puramente digital.

A TechCrunch sugere que Liu, como fundador da Airtable, pretende manter alta sua participação na empresa. Ele argumenta, porém, que mais do que os controles legais e estruturais, estar alinhado com seus investidores é o que mais importa.

“Acho que, na verdade, o que é mais importante na minha opinião, é ter alinhamento filosófico e alinhamento de expectativas com os investidores”, disse ele. “Porque não quero estar em uma posição em que se trate de um direito legal ou de um debate estrutural sobre o futuro da empresa. Isso quase parece para mim como o último recurso em que já chegou a um ponto onde as coisas estão feias. Prefiro estar em uma posição em que todos os investidores ao redor da mesa, tenham voz jurídica ou não, estejam totalmente alinhados com o que estamos tentando fazer com este negócio”.

Lançamentos

Entre as novidades, o que o artigo do TechCrunch avalia com destaque são os aplicativos Airtable. Anteriormente, os usuários Airtable podiam usar blocos pré-construídos para adicionar mapas, gráficos de Gantt e outros recursos às suas tabelas.

Mas embora ser um serviço sem código certamente tenha ajudado os usuários da Airtable a começar, sempre há um ponto inevitável em que a funcionalidade pré-construída não é suficiente e os usuários precisam de mais ferramentas personalizadas.

Assim, com os aplicativos Airtable, usuários mais sofisticados agora podem construir funcionalidades adicionais em JavaScript - e se eles decidirem fazer isso, eles podem compartilhar esses novos recursos com outros usuários no novo Airtable Marketplace, diz o site.

“Você pode ou não precisar de uma válvula de escape e, obviamente, chegamos até aqui com 200.000 organizações usando Airtable sem esse tipo de válvula de escape”, observou ele. “Mas acho que abrimos muito mais casos de uso quando você pode dizer, bem, a Airtable por si só está 99% lá, mas o último 1% é definitivo. Você precisa disso. E então, apenas ter essa saída e torná-la muito mais aproveitada para construir esse caso de uso na Airtable com 1% de esforço, em vez de construir o aplicativo full stack como um aplicativo customizado, faz toda a diferença”.

Outra novidade é a Airtable Automations, na qual é possível criar fluxos de trabalho automatizados e personalizados para gerar relatórios ou executar outras etapas repetitivas. É possível fazer isso por meio da interface gráfica do serviço ou usar JavaScript para criar seus próprios fluxos e integrações personalizadas. Por enquanto, esse recurso está disponível gratuitamente, mas a equipe está estudando como cobrá-lo ao longo do tempo, visto que esses fluxos automatizados podem se tornar caros se executá-los com frequência, de acordo com o site.

O último recurso novo, o Airtable Sync, permite às equipes compartilhar dados com mais facilidade em uma organização, ao mesmo tempo que fornecem controles para quem pode ver o quê. “O objetivo é permitir que as pessoas que criaram software com Airtable tornem esse software interconectado e possam compartilhar uma fonte de tabela verdadeira entre diferentes instâncias de nossas tabelas”, explicou Liu.

Tags