Home  >  Inovação

3 avanços tecnológicos de curto prazo que podem mudar o futuro

Convergência de computação conversacional, computação ambiente e Cloud PCs provavelmente remodelará radicalmente o mundo da tecnologia em uma década

Rob Enderle, Contributor, Computerworld

03/08/2021 às 7h45

inteligência artificial
Foto:

Legenda: Shutter Stock

(Divulgação: a maioria das empresas citadas são clientes do autor.)

A pandemia teve um impacto fascinante na velocidade das mudanças em TI. Nós nos conectamos remotamente agora mais do que nunca. Temos uma chance real de a videoconferência finalmente fazer o que sempre prometeu - eliminar a maioria das viagens de negócios, incluindo o deslocamento diário. As empresas de tecnologia do Vale do Silício transformaram isso em uma enorme vantagem de contratação: ao contratar pessoas que trabalham remotamente, elas pagam menos do que pagariam, ao mesmo tempo que oferecem salários muito acima do que os trabalhadores receberiam localmente.

É uma vitória/vitória irônica para ambos os lados.

As mudanças nos negócios impingidas às empresas pela Covid-19 também levaram a avanços em outras áreas que podem romper, em breve, com muito do que fazemos. Essas áreas são computação de conversação, computação ambiente e PCs em nuvem.

Vamos dar uma olhada em cada um e seu impacto coletivo.

Computação conversacional

Com a ajuda da Nvidia e de várias outras empresas, a IBM está trabalhando para possibilitar uma conversa com um colega de inteligência artificial. (A Microsoft também está trabalhando para melhorar isso.) Se você ainda não experimentou as habilidades de conversação em um Amazon Echo, vale a pena fazer isso para ver como isso está evoluindo no lado do consumidor. O esforço de computação de conversação da Amazon, que depende de sua própria tecnologia, basicamente inverte o script no desenvolvimento da interface do computador. No passado, o usuário normalmente precisava aprender a se comunicar com o computador, e não o contrário.

Os sistemas de resposta de voz interativa (IVR) estão passando por atualizações constantes, tornando cada vez mais difícil saber se aquela voz perguntando se você quer a garantia de um carro novo é humana ou não. Avanços em setores como vendas de seguros e saúde mostraram benefícios substanciais.

Mencionei a IBM porque, em um dos eventos da empresa, os executivos descreveram como um homem que havia sido chamado por um sistema de telemarketing não apenas se inscreveu no seguro, mas tentou flertar com o computador e o convidou para um encontro.

A computação conversacional não tem apenas enormes implicações para call centers e caldeiras; eventualmente, redefinirá como trabalhamos com computadores, permitindo que eles forneçam companhia, uma melhor compreensão do que você precisa que o computador faça e, com o tempo, será mais um parceiro “humano” do que uma ferramenta, pois ele se auto-otimiza para seu usuário.

Computação Ambiente

Esse esforço está sendo conduzido principalmente pela Amazon, mas a IBM (com Watson Assistant), a Microsoft (com Cortana) e a Apple (Siri) estão atuando neste espaço também, embora não tão ativamente. A computação ambiente envolve computadores com os quais você fala em todos os lugares que vai. Por exemplo, ao obter gás, você pode dizer à bomba que tipo e quanto combustível deseja, em vez de usar um teclado; você poderia dizer ao fogão como cozinhar sua refeição; ou você pode abrir e fechar a torneira com sua voz (o que posso fazer agora).

Com a computação ambiente, a interface predominante é a voz, embora também possa usar monitores para fornecer feedback e responder a você. Este conceito se baseia na computação conversacional, tornando a tecnologia de computador tão comum que você sempre pode interagir com alguém onde quer que vá.

A variante disso é a computação vestível, em que um fone de ouvido conecta você ao recurso de computação em vez de exigir uma coleção de dispositivos em todos os lugares. E se você mudar para smart glasses e fones de ouvido, poderá manter metade da conversa em silêncio. Por outro lado, tenho dispositivos Amazon Echo por toda a minha casa e, durante uma teleconferência em que os funcionários da empresa começaram a detalhar todos os comandos disponíveis, fiquei um pouco preocupado porque meus dispositivos estavam respondendo aos seus comandos.

Graças a Deus eu não tinha ligado meu carro ainda.

Cloud PC

Ligado ao lançamento do Windows 365, o conceito de um PC em nuvem continua fascinante porque de certa forma imita o conceito de cliente fino que a Oracle e a Sun Microsystems tentaram duas décadas atrás em sua tentativa de substituir o Windows. Essencialmente, ele permite que qualquer coisa conectada à nuvem com uma tela e um navegador seja o seu PC com Windows. Você não precisa de hardware de PC tradicional.

Os smartphones ainda não são capazes de compensar, pois não possuem as portas com fio ou sem fio de alta velocidade necessárias para a exibição necessária. Mas os visores tipo head-mounted de alta definição estão chegando. Juntamente com um smartphone equipado com Thunderbolt ou uma interface de tela sem fio mais robusta, eles podem evoluir para se tornar o cliente de hardware Windows perfeito.

Você deve se lembrar do projeto Microsoft Continuum que continuou bem na última década com o telefone HP Elite x3, onde o telefone lidava com funções de smartphone e PC. Esse esforço torna real o conceito Continuum de um PC baseado em smartphone. É apenas uma questão de tempo até que alguém descubra a combinação certa de hardware.

Concluindo: o PC não está morto; está prestes a renascer

Talvez devêssemos chamar essa onda de “PCs em todos os lugares” que falam com você de “Lazarus”. Porque à medida que essas três tendências amadurecem, estaremos cercados por computadores que falam conosco como pessoas, oferecem uma experiência do Windows onde quer que nós e nossos smartphones estejamos, e entrega uma experiência de computação evoluída que fornece a todos um companheiro. Os fatores de forma precisarão mudar, as interfaces mudarão em direção à voz e os monitores tipo head-mounted (uma vez que amadurecerem) mudarão para sempre a forma como vemos e interagimos com nossos PCs cada vez mais baseados em nuvem.

Estamos no início de uma grande mudança, algo que não víamos desde o nascimento do PC. Quando essa tendência terminar, nossos computadores terão se tornado nossos companheiros, sempre conosco e com o poder da nuvem para apoiá-los. Falaremos com eles como falamos uns com os outros - com a principal exceção de que os computadores não se ofenderão ou se voltarão contra nós.

Deverá ser uma década fascinante.