Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Últimos favoritos Ver todos
Home  >  Inovação

IBM vai instalar seu primeiro sistema de computação quântica local em centro de pesquisa médica

Clínica nos EUA também planeja receber o primeiro sistema quântico de mais de 1.000 qubit da IBM de próxima geração nos próximos anos

Da Redação

31/03/2021 às 20h30

Foto: Adobe Stock

A IBM e a Cleveland Clinic anunciaram uma parceria planejada de 10 anos para estabelecer um centro conjunto de pesquisa e saúde, o Discovery Accelerator, que busca impulsionar o ritmo de descobertas em saúde e ciências da vida por meio do uso de alta computação de desempenho na nuvem híbrida, inteligência artificial (IA) e tecnologias de computação quântica. As tecnologias servirão de base para o recém-lançado Centro Global para Pesquisa de Patógenos e Saúde Humana da Cleveland Clinic, nos Estados Unidos.

Como parte da colaboração, a IBM planeja instalar seu primeiro sistema de computação quântica no setor privado, o IBM Quantum System One, no campus da Cleveland Clinic. A empresa também planeja instalar o primeiro dos sistemas quânticos de mais de 1.000 qubit da próxima geração da IBM em uma instalação do cliente, também localizada em Cleveland, em 2023. Este programa quântico será projetado para se envolver ativamente com universidades, governo, indústria, startups e outras organizações relevantes.

O Discovery Accelerator, clínica conjunta Cleveland - IBM, servirá como base tecnológica para o novo Centro Global para Pesquisa de Patógenos e Saúde Humana da Cleveland Clinic. O centro reúne uma equipe de pesquisa focada em ampliar a compreensão de patógenos virais, cânceres induzidos por vírus, genômica, imunologia e imunoterapias.

“O Discovery Accelerator permitirá que nossas renomadas equipes construam uma infraestrutura digital voltada para o futuro e ajudem a transformar a medicina, enquanto treinam a força de trabalho do futuro e, potencialmente, aumentam nossa economia", disse Tom Mihaljevic, M.D., CEO e Presidente da Cleveland Clinic, em comunicado das empresas.

De acordo com as organizações, a colaboração visa construir uma infraestrutura clínica e de pesquisa robusta para capacitar a pesquisa médica de big data em formas éticas de preservação da privacidade, descobertas para atendimento ao paciente e novas abordagens para ameaças à saúde pública, como a pandemia de Covid-19.

"A pandemia de Covid-19 gerou uma das maiores corridas da história da descoberta científica - uma que exige agilidade e velocidade sem precedentes", disse Arvind Krishna, Presidente e Diretor Executivo da IBM. "Ao mesmo tempo, a ciência está passando por uma mudança própria - com computação de alto desempenho, nuvem híbrida, dados, IA e computação quântica, sendo usados ​​de novas maneiras para quebrar gargalos de longa data na descoberta científica".

Os pesquisadores planejam usar, por meio do Discovery Accelerator, a tecnologia computacional avançada para gerar e analisar dados para ajudar a aprimorar a pesquisa no novo Centro, sobretudo em áreas como genômica, transcriptômica de célula única, saúde populacional, aplicações clínicas e descoberta de produtos químicos e medicamentos.

Os pesquisadores da Cleveland Clinic serão os primeiros a usar os computadores quânticos da IBM em suas próprias instalações.

A IBM fornecerá aos pesquisadores da Cleveland Clinic acesso a ferramentas como Pesquisa Profunda, que pode executar e analisar rapidamente dados estruturados e não estruturados. Além da IBM Functional Genomics Platform, um repositório em nuvem que é continuamente atualizado com centenas de milhares de recursos para diferentes genomas virais, para que os cientistas possam direcionar melhor as moléculas específicas no design de medicamentos.

A IBM também fornecerá acesso ao RoboRXN, plataforma baseada em nuvem que combina modelos de IA e robôs para ajudar os cientistas a projetar e sintetizar novas moléculas remotamente. De acordo com publicação do ZDNet, o RoboRXN é baseado em um modelo de IA que foi treinado em cerca de um milhão de reações químicas conhecidas e pode traduzir um procedimento químico descrito por um navegador da web por um pesquisador sentado em casa em instruções legíveis por máquina que um robô baseado em laboratório pode executar. A instituição de saúde está olhando para tarefas com muitos dados exponencialmente.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15