Home  >  Inovação

Grandes mudanças estão chegando para a edge computing 5G

Em alguns anos, mais edge computing usará redes móveis, não importa se a borda é móvel ou não. O que isso significa para a computação em nuvem?

David Linthicum, Infoworld (EUA)

26/01/2021 às 10h17

Foto: Adobe Stock

De acordo com o mais recente estudo global da Juniper Research, os gastos das operadoras de rede de telecomunicações com MEC (multi-access edge computing) aumentarão de US$ 2,7 bilhões em 2020 para US$ 8,3 bilhões em 2025. Você leu certo: os gastos quase triplicarão nos próximos quatro anos.

MEC (anteriormente conhecido como Mobile Edge Computing) é uma abordagem de comunicação que permite recursos de computação em nuvem na borda de uma rede celular, ou realmente qualquer rede.

Como os sistemas de rede 5G emergentes (quinta geração) continuam a ser implantados durante os próximos anos, os provedores de serviços móveis vão investir pesadamente para atualizar suas capacidades de rede de comunicações e infraestrutura de sistemas de TI para suportar o crescimento no consumo de dados e produção gerado pela rede 5G emergente - aplicativos acoplados.

Os dispositivos de próxima geração, que são pontos de acesso funcionais, roteadores, estações base e outras entidades de acesso à rede, finalmente permitirão a explosão de quantidades de dispositivos IoT (tecnologia doméstica, veículos conectados e, claro, dispositivos móveis) para satisfazer seus crescentes requisitos de largura de banda.

Como benefício colateral, devemos também ver mais acesso para áreas geográficas atualmente designadas como "desertos de largura de banda", uma vez que não suportam Internet de alta velocidade. A falta de oportunidades educacionais e de trabalho nessas áreas devido às limitações de tecnologia desaparecerá.

Esses dispositivos de próxima geração desempenharão um papel vital no gerenciamento de grandes quantidades de dados de IoT gerados por veículos conectados, sistemas de cidades inteligentes e outros serviços emergentes com uso intensivo de dados.

Como resultado, o crescimento do MEC provavelmente conduzirá a otimização de diversos segmentos de mercado. Veja os rendimentos agrícolas, por exemplo. À medida que os agricultores exploram a nova tecnologia de “fazenda inteligente” econômica, eles podem se concentrar na irrigação para conservar água ou identificar e atacar pragas prejudiciais que podem ser removidas usando métodos menos tóxicos do que os usados atualmente.

Os provedores de nuvem pública se beneficiarão mais com essas inovações com acesso a um mercado maior. Por sua vez, empresas em diversos mercados começarão a consumir serviços de nuvem pública que fornecem acesso econômico a tecnologias revolucionárias, como machine learning, armazenamento de dados em massa e advanced analytics. Em essência, os provedores de nuvem pública se tornam os grandes equalizadores.

Veremos uma série de mudanças como essa nos próximos anos. Os padrões comuns serão uma confluência de redes móveis e redes corporativas, e a indefinição das linhas entre as duas. Redes mais rápidas e difundidas nem sempre são úteis, mas isso realmente funciona para resolver o problema da "última milha" que tivemos desde o início da Internet.

A pandemia ilustrou o verdadeiro valor comercial de conexões de rede confiáveis, bem como a importância da computação em nuvem. Em breve, o 5G irá espalhar essa ilustração com cores vivas e de alta velocidade em cada canto geográfico. Esteja pronto para tirar vantagem.