Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Últimos favoritos Ver todos
Home  >  Carreira

Conheça as áreas da TI com mais chances de emprego até 2023

Levantamento da Associação Catarinense de Tecnologia estima que serão abertas 16,6 mil novas vagas em TI até 2023; metade para desenvolvedores

Redação do IT Forum

26/08/2021 às 10h00

vagas tecnologia trabalho remoto
Foto:

Legenda: Adobe Stock

A Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE) acaba
de apresentar um panorama sobre os profissionais de TI mais demandados e
competências mais valorizadas pelo mercado. O levantamento indica que
as empresas da base tecnológica do Estado abrirão 16,6 mil novas vagas
até 2023. Mais da metade são para desenvolvedores de software.

A pesquisa aponta que as posições em alta são desenvolvedor full stack, back-end e front-end, seguidas por analista de serviços/suporte TI e analista de negócio.
Quando o assunto é competências dos candidatos, as mais requisitadas
são: metodologias ágeis, experiência profissional na área, habilidade em
execução de projetos e domínio de linguagens de programação, além de
inglês e formação acadêmica.

A média salarial para a área parte de R$ 3 mil, ficando acima da
remuneração de outros setores. “São postos que podem representar um
ganho significativo para as famílias e auxiliar na retomada econômica no
período pós-pandemia. É fundamental o apoio de todos – governo,
empresas, entidades e academia – na formação desses profissionais”,
enfatiza o presidente da ACATE, Iomani Engelmann.

O levantamento da ACATE entrevistou de 228 empreendedores do setor,
com apoio de professores da Universidade Federal de Santa Catarina
(UFSC). A iniciativa também identificou as soft skills (habilidades interpessoais) mais valorizadas
pelo mercado: resolver problemas (resposta dada por 90,8% dos
respondentes), seguida por trabalho em equipe (78%) e proatividade
(68%).

Profissionais disputados

A área de controle de qualidade é uma das profissões de TI mais em
alta, como mostra o mapeamento. De olho nas oportunidades, Raphaela
Penteado, de 24 anos, buscou se aprofundar nas competências exigidas.
Hoje trabalha como analista de controle de qualidade na HostGator,
provedora mundial de hospedagem de sites e serviços para presença
online, onde é responsável pelo desenvolvimento e aperfeiçoamento de
produtos.

“Nunca fiz cursos especializantes, sou autodidata. Fui atrás da
informação a partir da volumetria do mercado, entendi as exigências,
estudei os conceitos e me lancei a prática”, conta, hoje graduanda de
Engenharia da Computação.

Leia mais: 5 dicas para se preparar para exames de certificação em nuvem

Os desenvolvedores também então no foco das contratações. Segundo
coordenadora de DHO da Supero Tecnologia, Bárbara Daniel Vieira, o
trabalho remoto acirrou ainda mais disputa por eles: “as empresas
brasileiras passaram a concorrer com organizações estrangeiras, que
pagam em dólar ou euro, duas moedas valorizadíssimas, em relação ao
real”.

Ela pontua que os mais experientes, de nível pleno e sênior, sequer
têm procurado por oportunidades, pois propostas de trabalho chegam até
eles espontaneamente. Oferecer flexibilidade, convênios e apoio à
formação são atrativos na hora de contratar e manter esses profissionais
nas organizações.

Tomás Ferrari, CEO e fundador da GeekHunter, plataforma de
recrutamento especializada na contratação de profissionais de
tecnologia, ressalta que houve uma mudança nos pré-requisitos para
contratação, sendo que a graduação deixou de ser mandatória diante da
oferta de diversos cursos intensivos na internet e escassez de mão de
obra.

“Mas, o mais importante é que o profissional precisa ter habilidades
interpessoais, saber resolver problemas e ter altíssima adaptabilidade,
principalmente porque ele vai precisar se adaptar às mudanças de
tecnologias, que ocorrem o tempo todo”, finaliza.

Idioma inglês

O conhecimento na língua inglesa, por outro lado, é uma demanda para
20,27% das empresas que procuram profissionais em TI, mostra o estudo.
“Pedimos que o candidato entenda inglês no nível técnico, que é a
capacidade em compreender as demandas e reportar para seu superior”,
explica Silvia Petreca, tech recruiter da startup LogComex, que está em
processo de internacionalização e oferece aulas de inglês para preparar
colaboradores.

“Ter profissionais que falam inglês é do nosso interesse, então
queremos prepará-los para continuar conosco nessa jornada. Muitas
empresas exigem o idioma, mas não se disponibilizam a ajudar os
colaboradores no aprofundamento da língua”, completa.

Snippets HTML5 default Intervenções CW

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15