Home  >  Negócios

Facebook ameaça proibir compartilhamento de notícias na Austrália em resposta à proposta de lei

O país analisa o impacto financeiro das notícias para o Facebook e a Google e sugere pagamento a editores por notícias compartilhadas em suas platafo

Da Redação

07/09/2020 às 10h00

Foto: Adobe Stock

Após reguladores australianos exigirem das gigantes de tecnologia mais transparência sobre as receitas geradas com compartilhamento de notícias em suas plataformas, o Facebook ameaçou impedir os usuários de compartilharem conteúdo de notícias na Austrália.

Proposta de lei no país pode forçar a rede social, bem como a Google, a pagar aos editores por seus artigos compartilhados nas plataformas, de acordo com a BBC News.

A Comissão Australiana de Concorrência e Consumidores (ACCC) elaborou regras para "nivelar o campo de jogo" entre os gigantes da tecnologia e as editoras que, segundo ela, estão lutando devido à perda de receita de publicidade.

O Facebook afirmou que a legislação proposta poderá resultar no impedimento dos australianos de compartilhar notícias. No mês passado, a Google alertou seus usuários que seus serviços de busca poderiam ser "dramaticamente piores" como resultado.

Em um post de blog, Will Easton, Diretor-Gerente do Facebook para a Austrália e Nova Zelândia, diz que o projeto de lei "não compreende a dinâmica da internet e causará danos às próprias organizações de notícias que o governo está tentando proteger".

Easton argumentou que a medida do país forçaria a rede social a pagar pelo conteúdo colocado voluntariamente na plataforma para gerar tráfego em seus sites. Ele afirmou que o Facebook enviou 2,3 bilhões de cliques do feed de notícias do Facebook para sites de notícias australianos, no valor de cerca de A $ 200 milhões ($ 148 milhões; £ 110 milhões) durante os primeiros cinco meses do ano, diz a publicação.

O bloqueio de notícias "não é a nossa primeira escolha - é a última", disse ele. Easton também acrescentou que a medida influenciaria outros serviços do Facebook. Um porta-voz da gigante disse à BBC que "fornecerá detalhes específicos em breve" sobre como aplicará a proibição.

O posicionamento das gigantes de tecnologia aumentou a tensão entre as empresas de tecnologia e os reguladores australianos, segundo a BBC.

A Comissão respondeu à ameaça do Facebook dizendo que era "inoportuno e mal-entendido". "O código visa simplesmente trazer justiça e transparência às relações do Facebook e da Google com as empresas de mídia de notícias australianas", disse Rod Sims, presidente do ACCC.

Alguns especialistas em negócios argumentam que as empresas de tecnologia deveriam pagar aos editores pelo conteúdo de notícias de qualidade que eles republicam.

"Google, Facebook e outros têm se safado de distribuí-lo gratuitamente por muito tempo", disse Michael Wade, Professor da IMD Business School na Suíça e Cingapura, à BBC no mês passado.

O Google e o Facebook pagam por algum conteúdo de notícias em mercados específicos e disseram que planejam lançar essas iniciativas em mais países, diz o canal de notícias.

Tags