Home  >  Negócios

Pendências judiciais: Grin e Yellow estão com dívidas acima de R$ 2 milhões

Além de processos movidos por pessoas físicas e jurídicas, fundo Mountain Nazca, nega ter adquirido Grow Mobility

Da Redação

11/06/2020 às 10h00

Foto: Shutterstock

A Grow Mobility, companhia que administra os negócios das companhias de bicicletas e patinetes Grin e Yellow, conta com processos cuja soma total ultrapassa a casa dos R$ 2 milhões, de acordo com furo publicado pelo Tecnoblog

De acordo com a notícia, foram encontrados três grandes processos no Tribunal Judicial de São Paulo (TJ-SP), todos de empresas que prestaram serviços para a empresa: 

  • Soma de R$ 579.516,00 cobrados por uma imobiliária em ação de despejo por falta de pagamento do aluguel; 
  • Soma de R$ 792.930,43 devidos a uma empresa de serviços de monitoramento; 
  • Soma de R$ 826.242,07 não pagos a uma empresa de terceirização e gestão de frotas; 

Também foram identificados processos movidos por pessoas físicas que se acidentaram ou foram atingidas por um dos patinetes da marca, mas com valor de indenização bem abaixo dos cobrados acima.  

Procurada pelo Tecnoblog, a Grow Mobility informou que não comentará sobre o assunto. 

Não é segredo que a companhia passa por dificuldades: em janeiro, retirou sua operação de 14 cidades brasileiras e restringiu sua oferta apenas ao empréstimo de patinetes.

O período atual de distanciamento social, que reduziu drasticamente o fluxo de mobilidade nas principais capitais do país, contribuiu para complicar a situação: na semana passada, a empresa anunciou a demissão de 50% da sua força de trabalho no Brasil. 

Mountain Nazca nega aquisição da Grom Mobility 

Em um desdobramento desta notícia, o grupo Mountain Nazca (fundo de investimentos originário do México) entrou em contato com o portal de notícias para negar a aquisição da do Grow Mobilty - notícia amplamente divulgada no início de março. 

De acordo com comunicado enviado, a empresa foi comprada poro investidor Felipe Henríquez Meyer, que era responsável pela operação do fundo no Chile. 

Em nota enviada ao Mobile Time, a Grow confirmou o fato: “Houve uma falha de entendimento ao longo das negociações, dado que Felipe Henriquez é um dos fundadores da Mountain Nazca, o que ocasionou uma divulgação equivocada por parte da empresa. A Grow pede desculpas pelo mal entendido e reafirma que o controle da empresa atualmente é de Felipe Henriquez Meyer, e não tem envolvimento da Mountain Nazca."