Home  >  Plataformas

Como ativar o modo anônimo no Chrome, Edge, Firefox e Safari

Disponível em qualquer um dos quatro grandes navegadores da Web, o recurso oferece uma certa privacidade, mas não oculta completamente suas atividades

Gregg Keizer, da Computerworld Brasil

11/06/2020 às 12h00

Foto: Shutterstock

Navegação privada. Modo incógnito. Modo de privacidade. 
 
Funções de navegadores da web como essas acompanham sua trilha on-line há mais de uma década, e o recurso - encontrado pela primeira vez em um navegador top de linha  em 2005 - se espalhou rapidamente enquanto uns copiavam os outros, faziam ajustes e pequenas melhorias. 
 
Mas as chamadas que prometem privacidade podem ser traiçoeiras. Em termos simples, tornar-se "incógnito" é tão eficaz para proteger a privacidade online quanto simpatias para evitar um resfriado comum. 
 
Isso ocorre porque a navegação privada visa limpar os traços locais de onde você esteve, o que procurou e o conteúdo dos formulários preenchidos.  O objetivo é esconder, e nem sempre de forma tão eficiente, suas pegadas on-line de outras pessoas com acesso ao computador pessoal. 

 
Na sua forma mais básica, esses recursos prometem não gravar sites visitados no histórico de navegação, salvar cookies que mostram quais sites você  acessou ou lembrar credenciais como senhas usadas durante as sessões. Mas suas viagens pela web ainda são rastreáveis pelos provedores de Internet - e pelas autoridades que servem intimações a essas entidades - empregadores que controlam a rede da empresa e anunciantes que seguem todos os seus passos. 
 
É privacidade pra caramba, não acha? 

Mas, no ano e meio desde a última vez que a Computerworld visitou o recurso anônimo, a maioria dos navegadores incluiu novas ferramentas de privacidade, ainda mais avançadas, geralmente conhecidas como "anti-trackers", que bloqueiam todos os tipos de blocos de código que os anunciantes e os sites usam para rastrear onde as pessoas acessam a Web na tentativa de compilar dossiês digitais e/ou veicular anúncios direcionados. 

Embora os modos de navegação anônima e os recursos de rastreamento não componham um sistema verdadeiro, eles certamente são complementares. Se você estiver usando o modo de privacidade do navegador sem as ferramentas anti-rastreamento, estará reduzindo drasticamente seu esforço para permanecer oculto. Seria a mesma coisa mostrar sua presença hasteando uma bandeira de sinalização. 

Essa situação foi melhor ilustrada nesta semana, quando uma ação coletiva foi movida em um tribunal federal da Califórnia, buscando pelo menos US$ 5 bilhões do Google por supostamente rastrear o comportamento e os movimentos on-line dos usuários - mesmo quando eles navegam no modo de navegação anônima do Chrome.  

O processo alegou que as ferramentas do Google, especialmente o Google Analytics e o Google Ad Manager ", foram projetados para rastrear automaticamente os usuários quando eles visitam páginas da Web - independentemente das configurações escolhidas por um usuário. Isso é verdade mesmo quando um usuário navega no 'modo de navegação privada. '" 
 
Não foi por acaso que o Google e seu Chrome foram alvo do processo. Embora o Chrome certamente domine o espaço do navegador - seu compartilhamento mais recente foi de quase 70% - ele também é o navegador com as proteções anti-rastreamento menos desenvolvidas, como você verá em breve. 
 
Para entender o lado prático, reunimos instruções e insights sobre os recursos anônimos - e as ferramentas anti-rastreamento - oferecidos pelos quatro principais navegadores: Google Chrome, Edge (Microsoft), Firefox (Mozilla) e Safari (Apple). 

Como ficar anônimo no Google Chrome 

Embora “incógnito” possa ser sinônimo para “modo privado” de qualquer navegador, o Google recebeu crédito por usar a palavra como o nome mais rápido do recurso quando lançou a ferramenta no final de 2008, apenas alguns meses após o Chrome ser lançado. 
 
A maneira mais fácil de abrir uma janela de navegação anônima é com a combinação de atalhos do teclado Ctrl-Shift-N (Windows) ou Command-Shift-N (macOS)
 
Outra maneira é clicar no menu no canto superior direito - são os três pontos verticais - e selecione Nova janela anônima na lista.

A nova janela de navegação anônima pode ser reconhecida pelo fundo escuro e pelo ícone estilizado "espião", à esquerda do menu de três pontos. O Chrome também lembra aos usuários o que o incógnito faz e o que não faz sempre que uma nova janela é aberta.  

A mensagem pode  ficar cansativa para usuários anônimos regulares, mas também pode salvar um emprego ou reputação: é importante que os usuários se lembrem de que o incógnito não impede ISPs, empresas, escolas e organizações de saber para onde clientes, trabalhadores, estudantes e outras pessoas acessaram a Web ou o que procuraram. 
 
Uma adição recente à caixa de ferramentas do incógnito mudou essa tela introdutória. Na parte inferior da tela, há uma alternância - está ativada por padrão - junto com o texto que indica que os cookies de terceiros serão bloqueados enquanto estiver no modo de privacidade. 

Embora os cookies nunca sejam salvos localmente enquanto o usuário permanecer no modo de navegação anônima, os sites conseguiram rastrear os movimentos do usuário de site para site enquanto estavam no modo de navegação anônima.

Esse rastreamento pode ser usado, por exemplo, para exibir anúncios para um usuário que visita vários sites no modo de navegação anônima. O novo bloqueio de cookies de terceiros, que interrompe esse comportamento, estreou no Chrome 83, lançado em 19 de maio. Porém, nem todos os usuários o viram no dia da abertura, pois o Google lançou o recurso em etapas. 
 
Para ativar manualmente o bloqueio de cookies de terceiros no modo de navegação anônima, os usuários podem digitar na barra de endereço chrome://flags, procurar por  Enable improved cookie controls UI in incognito mode  e, quando encontrá-lo, definir como Ativado. Por fim, reinicie o Chrome. 
 
Depois que uma guia no modo de navegação anônima é preenchida com um site, o Chrome continua lembrando aos usuários que eles estão no modo de navegação anônima pelo fundo escuro da barra de endereço e pelo título da janela. 

Um link em uma página existente pode ser aberto diretamente no modo de navegação anônima clicando com o botão direito do mouse no link e escolhendo Abrir link na janela de navegação anônima no menu resultante. 
 
Para fechar uma janela de navegação anônima, feche-a como qualquer outra janela do Chrome, clicando no X no canto superior direito (Windows) ou no ponto vermelho no canto superior esquerdo (macOS). 

  • Dica de profissional: o navegador anônimo do Chrome é executado com todas as extensões desativadas automaticamente. Para permitir que um ou mais complementos sejam executados no modo de navegação anônima, vá para a página Extensões - no Windows, em Mais ferramentas - clique na caixa Detalhes e procure o controle deslizante ao lado do texto Permitir no modo anônimo. Mova o controle deslizante para a direita para ativar a extensão no modo de navegação anônima. 

Como navegar em particular no Microsoft Edge

O Edge, navegador padrão do Windows 10 - e agora também disponível para o macOS - pegou emprestado o nome do seu modo de navegação privada - InPrivate - do Internet Explorer (IE), o navegador herdado, agora obsoleto, mas ainda mantido.  

O InPrivate apareceu no IE em março de 2009, cerca de três meses após o Incognito do Chrome e três meses antes do modo de privacidade do Firefox. Quando o Edge foi lançado pela primeira vez em 2015 e depois relançado como um clone do Chrome em janeiro de 2020, o InPrivate também fazia parte do pacote. 
 
No teclado, a combinação de Ctrl-Shift-N (Windows) ou Command-Shift-N (macOS) abre uma janela do InPrivate. 
 
Uma maneira mais lenta de chegar lá é clicar no menu no canto superior direito - são três pontos organizados horizontalmente - e escolher a janela Nova InPrivate no menu. 

O Edge faz um trabalho mais minucioso ao explicar o que seu modo de navegação anônima faz e não faz do que qualquer um de seus rivais, com parágrafos na tela dedicados a descrever quais dados o navegador coleta no InPrivate e como uma configuração adicional de rastreamento mais rigorosa pode ser ativada de dentro do modo. 

O navegador da Microsoft também marca bem o InPrivate quando o modo está em operação: um oval azul marcado com "In Private" à direita da barra de endereço combina com uma tela preta para garantir que os usuários saibam onde estão. 

Também é possível iniciar uma sessão do InPrivate clicando com o botão direito do mouse em um link no Edge e selecionando Abrir na nova janela do InPrivate. Essa opção fica acinzentada quando você já está em uma sessão de navegação privada, mas o uso do Abrir o link em uma nova aba faz exatamente isso no quadro InPrivate atual. 
 
Para encerrar a navegação InPrivate, basta fechar a janela clicando no X no canto superior direito (Windows) ou clique no ponto vermelho no canto superior esquerdo (macOS). 
 
Embora a Microsoft tenha baseado o Edge no Chromium, o mesmo projeto de código aberto que vem com o código para alimentar o Chrome, a empresa de Redmond, Washington, integrou o anti-rastreamento em seu navegador, algo que o Chrome ainda precisa fazer. Apelidada de Prevenção de rastreamento, a função roda nos modos padrão do Edge e InPrivate. 
 
Para ativa a prevenção de rastreamento, escolha Configurações no menu do navegador e, no menu da próxima página, no canto superior esquerdo - marcado por três linhas horizontais -, selecione Privacidade e serviços.  

Escolha uma das três opções - Básica, Equilibrada ou Rigorosa - e verifique se a opção para prevenção de Rastreamento está na posição "ativada". Se você deseja que o InPrivate sempre use o padrão mais rigoroso de anti-rastreamento - não é uma má idéia - sempre use a prevenção de rastreamento "Restrita" ao navegar no InPrivate para "ativado". 

  • Dica de profissional: Para abrir o Edge com o InPrivate - em vez de primeiro abrir o Edge no modo padrão, inicie o InPrivate - clique com o botão direito do mouse no ícone Edge na barra de tarefas do Windows e selecione a janela Novo InPrivate na lista. Não há uma maneira semelhante de fazer isso no macOS. 

Como fazer a navegação privada no Mozilla Firefox 

Após o Chrome ter anunciado o modo incógnito, navegadores sem algo parecido se apressaram para recuperar o atraso. A Mozilla adicionou sua versão - denominada Navegação Privativa - cerca de seis meses após o Google, em junho de 2009, com o Firefox 3.5. 
 
No teclado, uma sessão de navegação privada pode ser chamada usando a combinação Ctrl-Shift-P (Windows) ou Command-Shift-P (macOS)
 
Como alternativa, uma janela privada será aberta no menu no canto superior direito do Firefox - três pequenas linhas horizontais - após a seleção de Nova janela privada. 

Uma janela de sessão privada é marcada pelo ícone com uma máscara roxa à direita da barra de título do quadro do Firefox. No Windows, o ícone está à esquerda dos botões minimizar / maximizar / fechar; em um Mac, a máscara fica na extremidade direita da barra de título. 
 
Como outros navegadores, o Firefox alerta os usuários que a navegação privada não é uma solução definitiva para problemas de privacidade, mas é limitada no que impede de ser salva durante uma sessão. " Apesar disso não tornar você anônimo para sites e para seu provedor de serviços de internet, facilita manter o que você faz online privativo para outras pessoas que usam este computador. ", diz o aviso. 

Um link pode ser aberto em uma janela privada do Firefox clicando com o botão direito do mouse no link e escolhendo Abrir link em nova janela privativa no menu. 
 
Para fechar uma janela, feche-a como qualquer janela do Firefox, clicando no X no canto superior direito (Windows) ou no ponto vermelho no canto superior esquerdo (macOS). 
 
Algo digno de nota é que o incógnito do Firefox foi relegado a um status de segunda classe, talvez até menos, pela Proteção aprimorada contra Rastreamento do navegador, um conjunto de ferramentas de bloqueio de rastreadores que impedem todos os tipos de métodos de anúncio e site para identificar usuários e assistindo e gravando o comportamento on-line. Embora a versão mais antiga tenha sido oferecida apenas no Windows Privado, as tecnologias expandidas também funcionam no modo padrão. 
 
(A opção rastrear conteúdo, a forma original das defesas do Firefox, permanece ativada por padrão apenas no Windows Privado.) 
 
Como a proteção aprimorada contra rastreamento aprimorada é ativada por padrão no Firefox, não importa qual das suas configurações - Padrão, Rigorosa ou Personalizada - está selecionada na navegação privada; tudo o que pode ser bloqueado será bloqueado. 

  • Dica de profissional: o Firefox pode ser configurado para sempre abrir em janelas particulares. Veja como: no menu, escolha Opções (Windows) ou Preferências (macOS), selecione Privacidade e segurança nas opções à esquerda, role para baixo até Histórico e, no item do Firefox, escolha Configurações personalizadas do usuário para o histórico. Marque a caixa marcada Sempre usar o modo de navegação privada. Você será solicitado a reiniciar o Firefox. 

Quando isso estiver ativado, o lembrete de máscara roxa não aparecerá na barra de título do navegador. 

Como navegar em paz com o Safari da Apple 

O Chrome pode receber muito mais atenção por seu navegador anônimo do que qualquer outro navegador - sem surpresa, já que é de longe o navegador mais popular do planeta - mas o Safari da Apple foi realmente o primeiro a introduzir a navegação privada. O termo navegação privada foi usado pela primeira vez em 2005 para descrever os recursos do Safari 2.0 que limitavam o que foi salvo pelo navegador. 
 
(O Safari 2.0 foi fornecido com o Mac OS X 10.4, também conhecido como "Tiger", que chegou em abril de 2005.) 
 
Para abrir o que o Safari chama de Janela Privada em um Mac, os usuários podem fazer uma combinação de três teclas do Command-Shift-N, o mesmo atalho adotado pelo Chrome. 
 
Caso contrário, uma janela pode ser aberta selecionando o menu Arquivo e clicando em Nova Janela Privada

O Safari marca cada janela privada escurecendo a barra de endereço. Também emite um lembrete do que faz - ou com mais precisão - o que não faz. "O Safari manterá seu histórico de navegação privado em todas as guias desta janela. Depois de fechar esta janela, o Safari não lembrará as páginas visitadas, o histórico de pesquisa ou as informações de preenchimento automático", diz a parte superior da página. O aviso é mais conciso do que os de outros navegadores e omite os avisos sobre atividades online ainda visíveis. 

Como o Firefox, o Safari envolve automaticamente tecnologias de privacidade adicionais, independentemente de o usuário navegar no modo padrão ou privado.

O Intelligent Tracking Protection (ITP), que nasceu em 2017 e foi atualizado várias vezes desde então, agora bloqueia todos os cookies de terceiros, entre outros componentes que os anunciantes e serviços usam para rastrear as pessoas enquanto elas pulam de um site para outro.  

O ITP é controlado por um único botão liga / desliga - é o padrão - encontrado em Preferências, sob o ícone Privacidade. Se a caixa Rastreamento de site: estiver marcada para Impedir rastreamento entre sites, o ITP estará ativado. 

Um link pode ser aberto diretamente em uma janela privada pressionando a tecla Option enquanto clica com o botão direito do mouse e selecionando Abrir link em nova janela privada. Essa é uma maneira um pouco mais desajeitada de chegar lá do que no Chrome ou Firefox, principalmente porque, a menos que alguém acesse regularmente o modo de privacidade, é muito fácil esquecer a tecla Opção. 
 
Feche uma janela privada, como qualquer janela do Safari, clicando no ponto vermelho no canto superior esquerdo do quadro do navegador. 

  • Dica de profissional: uma vez você esteja em uma janela privada do Safari, abrir uma nova guia - clicando no ícone + no canto superior direito ou usando a combinação de teclas Command-T - omite o aviso de que a navegação privada  está ativada. Outros navegadores, como o Firefox, repetem suas mensagens de advertência sempre que uma guia é aberta em uma sessão anônima.