Home  >  Negócios

Airbnb pagará US$ 250 milhões para anfitriões com perdas por Covid-19

Clientes receberão reservas feitas antes de 14 de março; startup também estende Política de cancelamentos gratuito até 31 de maio

Da Redação

02/04/2020 às 9h00

Foto: Shutterstock

A startup de hospedagem Airbnb anunciou esta semana que os hóspedes vão receber os reembolsos completos pelas viagens que estavam marcadas para começar ou antes de 31 de maio e que foram reservadas antes de 14 de março.

É mais uma medida da empresa que está reunindo esforços  para amenizar o impacto do coronavírus no setor de viagens. Também serão reservados US$ 250 milhões para pagar as reservas perdidas pelos anfitriões, que são parceiros de negócios.

A companhia anunciou a medida em uma carta enviada a esses parceiros esta semana, em um esforço para reconstruir o relacionamento com essa parcela de público.

Para lembrar

Anteriormente, a empresa havia dito que permitiria que os hóspedes cancelassem e recebessem reembolsos completos para viagens entre 14 de março e 14 de abril, decisão que despertou a ira de diversos anfitriões.

No comunicado oficial, o CEO do Airbnb, Brian Chesky, se arrependeu da decisão e disse que a empresa pagará US $ 250 milhões aos anfitriões para cobrir os custos dos cancelamentos gerados pelo coronavírus. 

Especificamente, o Airbnb pagará aos hosts 25% do que normalmente receberiam por meio de suas políticas de cancelamento. Os pagamentos começarão a ser emitidos agora em abril. 

“Lamento profundamente a forma como comunicamos essa decisão e lamento não termos consultado vocês - como os parceiros deveriam”, escreveu Chesky. “Ouvimos o lado de vocês e sabemos que decepcionamos. Vocês merecem mais de nós”.

Além disso, os funcionários do Airbnb doaram para um fundo de US $ 10 milhões destinado aos Superhosts da empresa e aos anfitriões de longa data. A partir de hoje, esses hosts podem solicitar subsídios de US$ 5.000.

“A confiança é a base de uma parceria e é construída ao longo do tempo”, escreveu Chesky. “Sabemos que teremos trabalho para recuperar a sua lealdade, mas é nossa prioridade e estamos comprometidos com isso”.

Contenção de custos

Na semana passada, o Airbnb disse a seus funcionários que iria instituir um congelamento de contratações, suspender o marketing, cortar o salário dos executivos e que não esperava dar bônus para 2020.

É uma reviravolta dramática no Airbnb, que deve ser uma das IPOs de tecnologia mais quentes do ano até a crise do COVID-19 atingir os EUA no mês passado. 

A empresa contratou banqueiros para liderar a oferta, que testaria se o Airbnb poderia atingir sua avaliação de mercado privado de US $ 31 bilhões a partir de 2017. 

O Wall Street Journal informou  em fevereiro que o Airbnb perdeu US $ 322 milhões nos primeiros nove meses do ano passado, depois de reportar um lucro de US $ 200 milhões em 2018, à medida que aumentava os gastos.

Agora, a empresa enfrenta um setor de viagens e turismo fechado em todo o mundo. A Associação de Viagens dos EUA espera que a indústria perca 4,6 milhões de empregos este ano.