Home  >  Negócios

Robôs devem mediar US$ 142 bilhões em vendas até 2024

Tecnologias como processamento natural de linguagens ajudarão a otimizar o uso das ferramentas, setor de varejo será mais valorizado

Da Redação

26/03/2020 às 10h00

Foto: Shutterstock

Pesquisa divulgada pela consultoria americana Juniper Research destacou o crescimento do uso de robôs (bots) para conduzir e finalizar transações de compra e venda.

De acordo com a previsão da empresa, a aplicação desse recurso deve gerar US$ 142 bilhões globalmente até 2024, em comparação com os US$ 2,8 bilhões faturados em 2019 – crescimento de 40%.  

Na percepção da empresa, o crescimento do uso dessa funcionalidade será possibilitado pelo uso de uma tecnologia chamada compreensão da linguagem natural (ou NLU,na sigla em inglês), na qual a máquina consegue ler os pedidos ou dúvidas dos usuários, interpretá-los e oferecer as opções corretas. 

O levantamento também aponta que o setor de varejo será o maior beneficiado pelo uso da solução: até 2024, 50% das interações em vendas serão realizadas com o auxílio de robôs.

Por conta dessa percepção, o estudo “incentiva os varejistas a implementar chatbots como parte de uma estratégia omnichannel de varejo mais ampla, a fim de maximizar sua presença em vários canais importantes de varejo.” 

Outro fator que o estudo considera está atrelado ao crescimento de aplicativos criados por varejistas para oferecer opções de vendas, promover descontos e também analisar o comportamento dos usuários. De acordo como estudo 80% de todo o uso de bots ocorrerá dentro desses aplicativos e não pelo uso de navegadores de internet ou plataformas externas de mensageria. 

Por fim, a 'Juniper' afirma que esse boom ocorrerá inicialmente na China e Extremo Oriente (Coreia do Norte; Coreia do Sul; Japão; Taiwan), que devem corresponder a 70% do fluxo de acesso a chatbots.

Porém, mesmo com esse impulso, a utilização de robôs ainda corresponderá a um percentual pequeno de compras: 4% do total de gastos digitais por meio de computadores ou smartphones. 

*Com informações do Valor Investe

Tags