Home  >  Negócios

Com expansão do coronavírus, varejistas brasileiros se voltam ao e-commerce

De acordo com Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), alguns sites varejistas registraram alta de até 180% desde o dia 12 de março

Da Redação

23/03/2020 às 13h00

Foto: Shutterstock

Enquanto lojas físicas estão fechando ao redor do Brasil como medida para evitar a propagação do coronavírus, as empresas que possuem comércios on-line estão testemunhando um crescimento significativo no tráfego e vendas.

De acordo com dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), alguns sites registram desde o dia 12 de março alta de até 180% nas vendas, com destaque para produtos alimentares e farmacêuticos. Devido a esse fator, a associação deve revisar a estimativa de faturamento da área.

Inicialmente, a previsão estava estimada para uma alta de 18% na receita, que se traduziria em R$ 106 bilhões de reais.

O panorama atual tem se mostrado especialmente favorável para empresas que possuem negócios relacionados a itens essenciais de subsistência, como alimentos e itens de higiene. Um exemplo é o desempenho financeiro do Carrefour, cujas ações subiram 12% desde o dia 14 de fevereiro.

Para empresas que atuam no formato híbrido e em outros mercados, a situação é outra. As ações da Via Varejo e Magazine Luiza, que possuem muitas empresas físicas e em shopping centers, caíram 47% e 27%, respectivamente, entre os dias 13 e 19 de março.

Por conta do cenário atual, a expectativa de analistas é que essas empresas reforcem os investimentos digitais para compensar parte das perdas estimadas pelo fechamento de lojas.

*Com informações da Reuters