Home  >  Negócios

Verily, startup de saúde da Google, lança site para identificar coronavírus

Disponível apenas para moradores da região da Bay Area, projeto-piloto ajudará no encaminhamento de pessoas para testes de segurança

Da Redação

17/03/2020 às 8h00

Foto: Shutterstock

Pela grande circulação de pessoas, o estado da Califórnia (que abriga várias startups e grandes empresas de tecnologia) é um dos grandes focos de teste para identificar possíveis casos do novo coronavírus (COVID-19), que nos EUA já conta com ais de 4 mil casos identificados. 

A Verily, startup que faz parte do guarda-chuva Google/Alphabet, anunciou no domingo a criação de um site-piloto chamado “Project Baseline”, que tem por objetivo realizar testes para que os usuários entendam a probabilidade de estar com o vírus. Caso esse percentual seja significativo, o potencial paciente será direcionado para o local de teste mais próximo. 

De acordo com o comunicado, só poderão acessar o site cidadãos americanos acima dos 18 anos, que vivam em algumas das regiões assinaladas como "de risco" pelo governo da Califórnia e que autorizem o Google a coletar informações como nome, endereço, e-mail, número de telefone e as informações de saúde, que poderão ser utilizadas pelo governo americano ou autoridades "para propósitos de saúde". 

"As informações também podem ser compartilhadas com certos provedores de serviços contratados para executar serviços em nome da Verily, incluindo o Google, que a Verily utiliza para determinadas tecnologias e serviços, incluindo serviços em nuvem, serviços de segurança, armazenamento de dados, hospedagem de sites e outras funções de suporte" afirma o site. 

Caso aceite com todos os requisitos, o usuário passa por uma bateria de testes a fim de entender o estado de saúde da pessoa. Na hipótese de que a pessoa possa estar com o vírus, ela será conduzida para bases de testes "móveis", que serão indicadas "com base na capacidade de pessoas". Nesses locais, um teste nasal será realizado para fazer a prova final. 

De acordo com a empresa, os primeiros testes dentro desse sistema serão realizados para membros do grupo de risco, como pessoas idosas e portadores de doenças crônicas. 

No Brasil

Apesar de não existir serviço similar no país, algumas startups da área de saúde estão buscando oferecer serviços que ajudem a detectar possíveis casos de coronavírus.

A VidaClass é um exemplo. O serviço, que funciona tanto no site ou aplicativo, permite que os usuários realizem consultas on-line com enfermeiras para entender a probabilidade de estarem com o vírus. Para esse serviço de avaliação, a startup[cobra o valor de R$ 30.