Home  >  Negócios

SAS fecha 2019 com crescimento de 24% e mira cloud computing

Companhia irá investir no mercado de serviços para impulsionar sua receita

Da Redação

17/03/2020 às 9h00

Foto: Reprodução

Em evento para a imprensa realizado na última quinta-feira (12) a SAS Brasil apresentou seu balanço financeiro de 2019 e perspectivas de crescimento para os próximos meses. 

O ano passado se encerrou de maneira bem para a operação brasileira da companhia americana: crescimento de 24% com relação aos dados de 2018, percentual impulsionado pela demanda de clientes por mais soluções de análise e experiência do cliente. Para se ter uma ideia desse percentual dentro da operação da companhia, o CARG (Taxa Composta Anual de Crescimento, que mede retorno de investimentos) está entre 7% e 8% desde 2008. 

Ao destrinchar as fontes de receita, a companhia informou que a área de novas receitas obteve um crescimento de 20%, enquanto as receitas recorrentes aumentaram 29% durante o mesmo período. Dentre a operação global da SAS, o Brasil representa 6% da receita. Porém corresponde a 34% do faturamento que a marca possui na América Latina. 

Produtos de análise para esferas como IoT, customer intelligence, risco e fraude foram as verticais que mais geraram lucro para a companhia.  

O futuro é híbrido  

Durante o encontro com a imprensa, a companhia reconheceu a demora para a entrada da nuvem de suas soluções de análise mais completas. Cassio Pantaleoni, country manager do SAS Brasil, contextualizou esse cenário explicando o papel da companhia de realizar essa transição em conjunto com seus clientes, que precisaram de mais tempo para se adaptarem ao novo cenário por conta das políticas de governança que precisaram ser instituídas por conta do uso de tecnologias open source. 

Com essa etapa sendo vencida, a empresa aposta no segmento de serviços como grande impulsionador da sua receita futura. Para isso, a companhia está trabalhando para oferecer aos clientes tanto soluções 100% cloud, como o modelo híbrido (que, acredita, será o prevalente) e a nuvem privada para as empresas que ainda não se sentem seguras ou não querem realizar essa mudança. 

Dentre as possibilidades de análise feitas para a nuvem, o time da SAS destacou um projeto realizado em parceria com a operação global da Volvo Caminhões desde 2018.

A fabricante possui um produto premium no qual, por meio de sensores, realiza o monitoramento das condições do veículo e faz relatórios em tempo real. 

Nessa análise, a SAS atua tanto na captura de dados como na produção de inteligência do que é coletado. “Por exemplo, quando o caminhão começa a vibrar – indicando que ele está fora da estrada – de forma inconstante, é um forte indicativo de que o motorista pode estar dormindo ao volante. Com isso, podemos transmitir essas informações e tomar atitudes a partir delas”, explica Bruno Maia, diretor de inovação do SAS para América Latina. 

Para 2020, a operação local da SAS estimava um aumento de 10% nas receitas gerais da companhia. Porém, com o surgimento do Covid-19, Pantaleoni acredita que a companhia poderá revisar esse número. “Todo mundo vai rever a meta. Mas, pelos números que estamos monitorando, o nosso primeiro trimestre deve ser bom, se não tiver nenhuma medida do governo de retirar autonomia das empresas", explicou o country manager, 

Tags