Home  >  Negócios

Para otimizar negócios, Loft adquire SPRY, empresa de pesquisa de mercado

Aquisição foi concluída nesta semana; objetivo é utilizar inteligência da marca para aumentar o "match" entre apartamentos e compradores

Da Redação

13/02/2020 às 15h00

Foto: Shutterstock

A startup Loft, que atua na compra, reforma e revenda de apartamentos, anunciou nesta semana a conclusão do processo de compra da SPRY, empresa de pesquisa de mercado para gerar informações que contribuam para entender qual perfil de público se encaixa melhor nos apartamentos que a empresa tem disponíveis para venda. 

Chamada inicialmente de Lean Survey, a SPRY foi fundada em julho de 2014 por uma dupla de brasileiros e tem como objetivo usar a tecnologia para acelerar o processo de entrega de pesquisas encomendadas. 

  • Leia na IT Trends: 

Como a cultura digital afeta sua vida profissional 

Prepare-se para estar no centro na sociedade 5.0 

A empresa utiliza a internet para recrutar e treinar agentes de pesquisa sobre as principais práticas para se entrevistar pessoas. Quando a companhia recebe uma pesquisa, transmite as informações para os agentes (atualmente, mais de 50 mil, cadastrados em 2,4 mil municípios) que fazem a busca e coleta dos dados. Esse processo economiza o trabalho que a companhia teria ao enviar seus próprios agentes para diversas partes do Brasil. 

Outro uso da tecnologia está na tabulação de dados: todas as informações coletadas na entrevista são enviadas pelos agentes por uma plataforma da SPRY, que faz uma auditoria para evitar fraudes e, depois, compila as análises feitas. 

Com a aquisição, a Loft quer utilizar a equipe de agentes para entender quais aspectos as pessoas apreciam em determinada região para mapear a intenção de compra das pessoas.

Atualmente, a tecnologia da companhia já está sendo usada em alguns bairros de São Paulo, como Moema, Jardim Paulista e Itaim Bibi, de deve ampliar a área de pesquisa nos próximos meses. 

A aquisição chega depois da Loft ter alcançado o status de unicórnio, após receber um aporte de US$ 175 milhões, vindos dos fundos Andreessen Horowitz, Fifth Wall Ventures e Vulcan Capital.