Home  >  Sem Categoria

Em 2025, Apple deve intermediar 10% dos pagamentos globais em cartão

Apple Pay, que atualmente conta com 5% da participação mundial, está se posicionando como forte concorrente dentro do mercado

Da Redação

13/02/2020 às 10h00

Foto: Reprodução

Lançado em outubro de 2014, a carteira digital da Apple deve ser responsável por transacionar 1 de cada 10 pagamentos globais feitos em cartão até 2025, de acordo com dados coletados pela firma de pesquisa Bernstein. Atualmente, o serviço é responsável por 5% das transações. 

Com a tendência de estagnação das vendas de iPhones, a companhia de Cupertino busca aumentar a receita de seus serviços paralelos para se manter competitiva. E a divisão do Apple Pay pode ser um dos carros-chefes desse novo momento: segundo relatório financeiro da Apple, a companhia terminou o último trimestre de 2019 com receita de US$ 12,7 bilhões, aumento de 17% em comparação com o ano anterior. 

 E os resultados devem aumentar à medida que o mercado de pagamentos digitais cresce. Atualmente, US$ 1 trilhão é processado dentro
dessa metodologia - número que, apesar de alto, ainda não chega perto
aos US$ 14 trilhões transacionados anualmente por Visa e Mastercard.  

Só nos EUA, o mercado de pagamentos por aproximação (com o uso de smartphones ou relógios inteligentes) deve chegar a US$ 1,5 trilhão em 2024. Atualmente, essa quantia está em US$ 178 bilhões no país. 

Oportunidades e desafios 

Não é complicado entender o porquê de o serviço oferecido pela Maçã ter crescido em um ritmo forte: além de vir pré-instalado nos
iPhones, a companhia desenvolveu uma tecnologia que habilita pagamentos
via tecnologia NFC (por aproximação), enquanto os serviços mais famosos
dependem de QR Codes. 

Para um futuro não muito distante, a companhia espera conectar seus serviços de pagamento (em especial seu cartão feito em parceria com o banco Goldman Sachs) a plataformas de cash backs, além de permitir o pagamento de passagens de trens e ônibus com o aplicativo. 

Olhando
para a concorrência, o serviço não deve ameaçar processadoras como Visa
e Mastercard, que ainda gerenciam uma quantidade muito maior de
pagamentos. Mas o produto se mostra uma ameaça real para companhias como
PayPal, que atualmente comanda essa modalidade de pagamento. 

Em
paralelo, o crescimento da carteira digital da Apple está sendo visto
de perto por reguladores europeus, que querem entender se o modelo atual
não monopoliza o mercado. 

*Com informações do Quartz 

Tags