Home  >  Carreira

Atitudes que líderes podem tomar durante a transição de CEO

O momento pode ser aproveitado para reforçar pontos positivos na cultura da companhia e modificar questões vistas como tabu

Da Redação

08/02/2020 às 12h00

Foto: Shutterstock

O mercado foi pego de surpresa na última semana com a notícia de que Jeff Weiner, CEO do LinkedIn, deixará o posto a partir de junho. Apesar de o já anunciado substituto trabalhar dentro da companhia, esse período costuma ser de muitas incertezas: por mais que o executivo ou executiva pretenda adotar um estilo similar de direção, estamos falando de outra pessoa. 

Acontece que, enquanto a escolha e mesmo período de adaptação do novo C-level é um trabalho executado por um número reduzido de pessoas, quem ocupa posições de lideranças em níveis mais abaixo pode aproveitar o momento a seu favor.  

Jennifer Zwilling, diretora de Estratégia para a ONG Hillel International, contou em uma matéria para o portal Quartz sobre as boas práticas que aprendeu com as três mudanças de CEO vivenciadas por ela durante seus 15 anos trabalhando na companhia e como conseguiu utilizar a situação para melhorar práticas internas ou até mesmo repensar aspectos culturais que ela acreditava que poderiam ser melhorados. 

E quais foram as iniciativas tomadas pela profissional que auxiliaram em sua gestão? Confira abaixo: 

Posicione sua equipe sobre os próximos passos 

É normal que esse momento gere dúvidas para a grande maioria dos colaboradores. Afinal de contas, não se sabe as prioridades ou estratégia do futuro novo líder. Apesar de também “estar no escuro”, quem lidera algum time ou área pode agir de forma a estabelecer ao menos levemente a segurança entre as pessoas. 

Essa ação pode se dar por uma reunião ou encontro em lugar externo, no qual o líder transmite as informações que ele tem acesso e se coloca no lugar de alguém que pode ser procurado para esclarecer uma dúvida ou entender se houve alguma atualização para a escolha do novo CEO ou na forma de gestão. 

Esse tipo de postura, especialmente se for tomada em conjunto por outros departamentos, costuma resultar em uma equipe mais unida e com um fluxo de trabalho mais consistente. 

Aproveite o momento para discutir assuntos sensíveis 

Às vezes, a saída de um CEO oferece oportunidade para conversas que antes não eram abordadas de forma aberta pela empresa. Zwilling conta que, durante uma transição particularmente difícil, a organização para qual trabalha enfrentou questões significativas sobre o papel e a relevância da sede internacional no apoio às afiliadas locais, que sentiam não receber a atenção necessária da central. 

A profissional conta que uma reunião foi organizada com todas as lideranças envolvidas, para ouvir as principais queixas, e depois traçou-se um plano de ação para solucionar ou mitigar os principais problemas. Quando o plano começou a ser executado, Zwilling explica que os líderes locais sentiram-se ouvidos, dispersando parte da tensão e criando abertura para novas formas de trabalhar juntos. 
 
Por isso, reforça a profissional, momentos de transição não só podem, como devem, ser usados para falar sobre os “elefantes” que estão na sala. 

 
Invista na construção de relacionamentos

A mudança de um CEO é um dos raros momentos corporativos em que conseguimos sair  do modo automático e pensar de uma forma mais geral sobre o ambiente de trabalho, o que pode abrir espaço para a construção de novas amizades e mudanças no planejamento. Com isso, a chance de conhecer novos departamentos e estabelecer relações com novas pessoas costuma aumentar. 

Zwilling afirma que esses momentos devem ser aproveitados ao máximo pelos líderes, já que o período de troca abre espaço para mudanças e trabalhos muitas vezes inimagináveis no cenário anterior. 

“Cada transição, para mim, ofereceu um momento crucial de crescimento e aprendizado profissional e, finalmente, promoção. Os projetos intermediários que conduzi ao longo dos anos e particularmente durante essas fases estabeleceram minha credibilidade e demonstraram minhas capacidades - projetos que cada novo CEO considerou inestimáveis para o sucesso da organização.”