Home  >  Negócios

TVs e teles fazem acordo para utilizar 5G e TV parabólica na mesma banda

Empresas entenderam que é possível a convivência de ambas tecnologias dentro da banda C; testes adicionais serão realizados por precaução

Da Redação

03/02/2020 às 11h00

Foto: Shutterstock

Aparentemente, chegou ao fim uma das principais discussões relacionadas à implementação da tecnologia 5G no Brasil.  Após a realização de testes executados tanto por emissoras de TV com operadoras de telefonia, ambos os setores concordam que, com o uso de determinados equipamentos é possível que os dois serviços convivam dentro da banca C no país. 

Para a implementação do 5G no Brasil, o governo destinou a faixa de 3,5 GHz como uma das que serão utilizadas para essa finalidade. Acontece que essa frequência já é utilizada pelas companhias que transmitem o sinal via antena parabólica (TVRO).  

Em determinado momento, chegou-se a cogitar a realocação dos sinais da TV para a banda Ku, o que geraria gastos para as emissoras de TV. Porém, o impasse parece ter chegado a uma solução após um estudo apresentado pelo Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPQD) apresentar alternativas que viabilizariam a convivência de ambos os serviços.  

Após a realização de testes, as empresas acreditam que a utilização de filtros de mitigação (como o LNBF), em conjunto com a restrição do uso da faixa entre 3,7 GHz e 3,8GHz apenas para as empresas de TV, deixando para as operadoras restante da banda C (que vai de 3,8 GHz a 4,3 GHz), resolverá a questão sem problemas. 

Em comunicado conjunto enviado na última quarta-feira (29) pela Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão), Abratel (Associação Brasileira de Rádio e Televisão) e o SindiTelebrasil (Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal), as companhias envolvidas nessa questão se comprometeram a realizar testes complementares aos efetuados pelo CPqD para garantir que os resultados atuais permanecem sob diferentes ambientes. 

*Com informações do Mobile Time 

Tags