Home  >  Negócios

Com Azure, LinkedIn e Office, Microsoft atingiu lucro de US$ 11,6 bilhões

Companhia conseguiu diversificar portifólio, sem depender dos resultados de uma vertical; setor de games, em transição, apresentou queda

Da Redação

30/01/2020 às 11h01

Foto: Shutterstock

A Microsoft divulgou nesta quarta (24) os resultados do trimestre relativo aos meses de outubro e dezembro de 2019 - que já estão inclusos no ano fiscal de 2020 da marca - com resultados superiores aos estimados por analistas. 

A receita total da empresa fechou em US$ 33 bilhões durante o período, acima dos  US$ 32,2 bilhões esperados pelo mercado. Já o lucro por ação (EPS, na sigla em inglês) ficou em US$ 1,38, superior aos US$ 1,25 projetados. Retirando custos e outras despesas, a companhia comandada por Satya Nadella encerrou o trimestre com lucro de US$ 11,6 bilhões. 

As três principais áreas de crescimento da empresa foram:

  • Produtividade e processos corporativos (com produtos como Office, LinkedIn e Dynamics, de gestão corporativa) tiveram receita de US$ 11,8 bilhões, aumento de 17%; 
  •  Nuvem inteligente (que abrange Azure, servidores e produtos como Office 365) ficaram com receita em US$ 11,9 bilhões, valore 27% maior do que o mesmo período do ano passado; 
  •  Computação pessoal (como Windows, Surface, Xbox e, por motivos que não entendemos, o serviço de publicidade do Bing), gerou US$ 13,2 bilhões, aumento de 2%. 

No que diz respeito ao setor de computação pessoal, vale frisar que o baixo aumento percentual foi impulsionado principalmente pelo desempenho da divisão de games, que ficou 21% menor do que o resultado do ano anterior.

Muito dessa queda se deve porque o período anterior contou com lançamento de títulos muito aguardados pelos gamers (como o Red Dead Redemption 2), então a queda já era aguardada. Para se manter competitiva no setor, a Microsoft já anunciou o lançamento da nova geração de consoles (Xbox Series X) e uma plataforma de streaming para jogos (xCloud) ainda neste ano. 

Desde o início do ano, os papéis da empresa acumularam 35% e alta. 

Com informações: The Verge e Microsoft  

Tags