Home  >  Negócios

Huawei recebe aval de Primeiro-ministro para implementar 5G no Reino Unido

Apesar de classificada como “contratante de alto risco”, companhia poderá participar de projetos relacionados a tecnologias periféricas

Da Redação

28/01/2020 às 13h00

Foto: Shutterstock

O governo do Reino Unido anunciou que Boris Johnson, primeiro-ministro da região, autorizou a Huawei a participar da construção de infraestrutura da rede 5G, com algumas condições. 

Segundo fontes ouvidas pelo jornal The Guardian, a companhia não poderá atuar em projetos que lidem com funções vitais da infraestrutura 5G, como a construção da rede responsável por armazenar dados como voz e informações pessoais e monitorar o uso de dados de cada aparelho, para garantir que os usuários só usem os recursos pelos quais pagaram. 

Além disso, a companhia não poderá participar de projetos envolvendo a construção de infraestrutura 5G em locais como usinas nucleares e bases militares. Mas a empresa ainda tem bastante espaço parar atuar: ao total, a participação de mercado da Huawei poderá chegar a 35%. 

A decisão de incluir a Huawei dentro do espectro de empresas habilitadas para atuar dentro do 5G foi uma decisão que levantou muitas discussões dentro do país europeu. 

Enquanto a fabricante é a principal empresa global de telecomunicações, o que daria uma esperada vantagem competitiva, paira sob seu nome a suspeita (levantada pelos Estados Unidos) de que a companhia atua como braço do governo chinês, coletando informações e segredos de tecnologia de outras empresas para enviá-las à terra natal. 

Pesando prós e contras 

De acordo com uma fonte anônima que trabalha no Whitehall
(a sede do governo britânico) os especialistas de segurança do país
analisaram o caso e acreditam que, com essas medidas, conseguiram
controlar (ou barrar) qualquer atividade suspeita da empresa. 

Além disso, o mercado temia que, ao eliminar a presença da maior empresa do ramo, a implementação da tecnologia 5G no país sofreria um atraso de até três anos. 

Victor Zhang, vice-presidente da empresa, disse em comunicado que “A Huawei está tranquilizada pela confirmação do governo do Reino Unido de que podemos continuar trabalhando com nossos clientes para manter o lançamento do 5G no caminho certo.” De acordo com o executivo, a decisão “dá ao Reino Unido acesso à tecnologia líder mundial e garante um mercado competitivo.” 
 
“Fornecemos tecnologia de ponta para operadoras de telecomunicações no Reino Unido há mais de 15 anos”, complementou Zhang,  “Vamos construir esse forte histórico, apoiando nossos clientes à medida que investem em suas redes 5G, impulsionando o crescimento econômico e ajudando o Reino Unido a continuar competindo globalmente." 

Especialistas do país já aguardam críticas vindas dos Estados Unidos, principal país a criticar a inclusão da Huawei dentro da estrutura 5G global.  Na quinta, o primeiro-ministro Boris Johnson irá se encontrar com Mike Pompeo, secretário de estado do governo de Donald Trump.