Home  >  Segurança

Grindr compartilha dados de usuários com terceiros, afirma grupo norueguês

Segundo instituição dados como localização, idade e orientação sexual estariam sendo compartilhados pelo app com outras marcas

Da Redação

15/01/2020 às 14h02

Foto: Shutterstock

O Grindr, um dos princiais aplicativos de encontros para o público LGBTQIA+, compartilha com milhares de empresas de publicidade informações detalhadas sobre o perfil dos usuários, como localização, idade e gênero, de acordo com relatório divulgado na terça (14) pelo Conselho Norueguês de Consumo. 

De acordo com a instituição, o compartilhamento de informações seria intermediado pela MoPub, subsidiária do Twittter no setor de anúncios. 

O comunicado também informa que empresa não é a única do setor e realizar esse tipo de ação. O Match Group, que possuii dentro do seu portfólio marcas como OKCupid e Tinder, permite que as empresas do ramo compartilhem entre si informações sobre usuários. 

Por conta das descobertas, o grupo (em conjunto com outras entidades a favor da privacidade), preencheu entraram com três reclamações contra a Grindr e cinco empresas de adtech na Autoridade Norueguesa de Proteção de Dados por violar os regulamentos europeus de proteção de dados. 

A prática vai contra as normas da lei geral Europeia de proteção de dados (GDPR), que obriga as empresas a exigir consentimento expresso de cada usuário quando coleta dados da pessoa. De acordo com a lei, as violações mais sérias estariam sujeitas a multas equivalentes a até 4% das vendas globais do ano. 

Apesar de ainda não aplicar a multa máxima, o órgão já começou a aplicar penalidades em empresas de tecnologia: em dezembro, a Google foi multada em 150 milhões de euros por abuso de publicidade na França. 

O Twitter afirmou que está investigando caso para entender os mecanismos de consentimento do Grindr. Nesse tempo, ela desabilitou a conta corporativa da MoPub, de acordo com um representante da rede social. 

Procurados, nenhum dos apps de encontro mencionados comentaram o caso.  

*Com informações da Bloomberg