Home  >  Negócios

Uber muda estrutura e regras para atender nova lei na Califórnia

Empresa dará mais liberdade a motoristas para escolha e precificação de corridas; objetivo é desvincular vínculo empregatício

Da Redação

10/01/2020 às 10h00

Foto: Shutterstock

A Uber realizou mudanças em seu app para reforçar o posicionamento de que os motoristas que utilizam o aplicativo são parceiros de negócio e não empregados. Esses ajustes foram pensados para que a companhia se ajuste à nova lei publicada pelo estado da Califórnia, chamada Assembly Bill 5

De acordo com a nova legislação, as empresas que atuam como intermediadoras precisam provar ao governo que as pessoas que utilizam seus aplicativos para trabalhar em serviços como corridas e entregas têm liberdade para decidir preços e horários dos serviços prestados, entre outras características que efetuam um vínculo empregatício.  

Mais liberdade 

A versão do aplicativo que ficará disponível para os motoristas na Califórnia conta com ferramentas que aumentam a autonomia dos motoristas em aspectos como preços e seleção de corridas. Em e-mail enviado na quarta (08) aos motoristas, a Uber informou que permitirá a eles visualizar o destino final de um trajeto antes de aceitá-lo. 

  • Leia na IT Trends

Como a cultura digital afeta sua vida profissional

Entenda se sua profissão pode desaparecer até 2026

A empresa também avisou que trocaria o formato de cobrança atual, em que o valor já aparece para o usuário, por um sistema de faixa de preços, que pode variar e até um terço, dependendo da distância e tempo de viagem. A ride-hailing também irá fixar em 25% a taxa cobrada por cada corrida, que antes poderia apresentar alguma variação. 

Dentro da Califórnia, a ride-hailing conta com 1,5 mil motoristas ativos. De acordo com analistas da consultoria Barclays, a Uber teria gastos na ordem de US$ 500 milhões ao ano, caso precisasse classificar esse público como empregado.  

Por conta dessa possibilidade, empresas como Lyft e Uber estão processando o governo para revogar a lei.  Enquanto nada muda, porém, a empresa está fazendo alterações para se afastar da imagem de empregadora. 

* Com informações do Financial Times 

Tags