Home  >  Segurança

Facebook e Apple falam sobre desafios para garantir privacidade on-line

Em painel ocorrido durante a CES 2020, empresas apontaram os esforços feitos na área e como governo e sociedade podem contribuir

Da Redação

08/01/2020 às 10h00

Foto: Joyce Macedo / PC World Brasil

A edição 2020 da Consumer Electronic Show (CES) colocou representantes de duas das principais empresas de tecnologia para falar sobre como elas atuam dentro do espectro de privacidade e uso de dados. 

Erin Egan, diretora de Políticas de Privacidade do Facebook e Jane Horvarth, Diretora de Privacidade Global da Apple, participaram nesta terça (7) de um painel ocorrido na feira para debater a segurança de dados dos clientes que utilizam seus produtos. Também estiveram presentes Susan Shook, Diretora de Privacidade Global da P&G, e Rebecca Slaughter, comissária da Federal Trade Commission (FTC), agência americana que atua na defesa do direitos do consumidor e regulação de empresas. 

Leia na IT Trends 

Só uma nova internet protegeria a privacidade das pessoas, sugere Edward Snowden 

Você está preparado para a era do foco no cliente? 

Por terem modelos de negócios diferentes, cada uma das empresas adota uma linha de abordagem diferente. Como explicado em uma matéria da PC World, que está realizando a cobertura do evento, a Apple pensa em privacidade desde a concepção de um novo produto ou serviço.  

“Para cada novo produto que está sendo desenvolvido temos um engenheiro de privacidade e um advogado de privacidade designado para trabalhar com a equipe”, afirma Horvarth,  primeira profissional da empresa de Steve Jobs a estar na CES após um hiato de 28 anos da presença da marca na feira. 

Já Egan, que representa o Facebook, afirmou que apesar de a empresa ter um modelo de negócio diferente da fabricante, também visa a proteção do usuário. Apesar das questões de vazamento de dados da rede social, a executiva reforçou que a empresa tem orgulho das práticas realizadas internamente para garantir a segurança dos usuários e que tem uma política de privacidade tão boa como a Apple: “Nós acreditamos que privacidade é um direito humano” 

Educação e apoio de várias frentes 

A conscientização dos usuários sobre os perigos e cuidados de informações pessoais na internet foi citado por todas as marcas como um dos principais desafios para aumentar a segurança do ambiente on-line. 

Essa preocupação também é dividida por Slaughter, da FTC, que acredita que as companhias que estão na internet precisam desenvolver formas mais didáticas para explicar à população geral como seus dados são utilizados pelas companhias e como elas podem restringir ou, no melhor dos casos, eliminar essa coleta de informações:  

"A quantidade de informações que você precisa processar para descobrir o que está acontecendo com seus dados é insustentável para a maioria das pessoas", afirmou a comissária do FTC. "Sou uma pessoa relativamente bem-educada, especializada em privacidade e não consigo descobrir tudo o que está sendo feito com todos os meus dados em diferentes serviços", acrescentou. 

Falando sobre esse ponto, todas as marcas concordaram sobre a necessidade de uma lei federal que apresente de forma mais clara os direitos e deveres de cada parte. Horvath, da Apple, sugeriu que os EUA deveriam utilizar outros exemplos de legislação além da GDPR para criar o seu próprio: “precisamos olhar para todos os consumidores, independentemente de onde eles moram, com direito às mesmas proteções fortes ", afirmou. 

Apesar de não apresentar uma data concreta, Slaughter disse que o governo deve apresentar alguma medida nesse sentido por volta de 2021. 

*Com informações do Wall Street Journal e Engadget