Home  >  Negócios

5 plataformas de investimento alternativo para ficar de olho em 2020

Através de novas soluções, é possível montar uma carteira diversificada, com ativos que têm performado acima da média em cenário adverso

Da Redação

07/12/2019 às 14h08

Foto: Shutterstock

Com acesso mais facilitado à plataformas e tecnologias, brasileiros têm buscado alternativas de investimento à poupança. 

Através de novas soluções no mercado, é possível montar uma carteira diversificada, com ativos que têm performado acima da média neste cenário adverso.

Abaixo, conheça algumas plataformas de investimento para começar 2020 com mais dinheiro:

1. Robô garimpeiro

A Hurst Capital também desenvolveu um robô para investimentos, mas focado em ativos reais. A inteligência artificial busca oportunidades em precatórios, dívidas reconhecidas, líquidas e certas de governos municipais, estaduais e federal que podem oferecer rendimentos de 20% ao ano.

Segundo a empresa, seus algoritmos vasculham os sites dos tribunais de justiça, diários oficiais e processos judiciais que contenham precatórios, a fim de selecionar aqueles que preencham as características consideradas ótimas para aquisição. “Os robôs de investimentos, que contam com capacidade de processar informações numa dimensão sobre-humana, diminuíram exponencialmente os custos de transação inerentes à pesquisa, análise e avaliação de riscos e retornos de ativos raros ou pouco visíveis, como é o caso dos precatórios”, explica o CEO da Hurst, Arthur Farache.

A Hurst explica que qualquer pessoa consegue investir em precatórios, pela plataforma da Hurst, com R$ 10 mil.

Leia mais na IT Trends

Você está preparado para ser um profissional ágil?

O que os profissionais devem ter em mente em 2020

2. Renda Fixa acima do CDI

O app Renda Fixa permite que o investidor filtre, entre mais de 24 mil fundos, aqueles que apresentam rendimentos superiores a diversos benchmarks, como o tradicional CDI. É o caso dos RDBs (Recibo de Depósito Bancário), que são títulos privados emitidos por bancos para financiar operações de crédito, e das LCs (Letras de Câmbio), emitidas por instituições financeiras, com lastro em operações cambiais.

Conforme pesquisa realizada no próprio app Renda FIxa, atualmente é possível encontrar RDBs e LCs com rentabilidade líquida superior a 30% (descontando taxas e imposto de renda), de acordo com o prazo de vencimento da aplicação. Quanto maior o tempo em que o dinheiro ficar aplicado, maior o retorno, portanto.

3. Dólar em criptomoeda

Para quem deseja manter parte de seu patrimônio vinculado à variação do dólar, mas não quer precisar comprar a moeda para isso, uma alternativa é usar a tecnologia da GoMoney, empresa responsável pelo lançamento da primeira criptomoeda lastreada em dólar, o GMC (GoMoney Coin).

Com a paridade 1 GMC = US$ 1, este ativo se torna bem menos volátil que as criptomoedas sem lastro do mercado. “O GMC pode ser convertido em qualquer outra moeda (euro, iene, real etc.) pela cotação do dia ou mantido como ativo que flutua seguindo a moeda americana”, explica Osman Velazquez, Co-CEO & CFO da GoMoney. Desta forma, a criptomoeda pode ser utilizada em viagens ao exterior e transferências de recursos.

4. Aluguel em dólar

Investir em um imóvel para alugá-lo em aplicativos como o Airbnb, em dólar, garante rendimentos vitalícios na mais forte e segura moeda do mundo. O investidor consegue driblar o câmbio elevado adquirindo imóvel com deságio de até 35% em leilão, explica Ricardo Molina, autor do livro Como Ganhar Dinheiro com Vacation Homes e CEO da Talent Realty.

De acordo com Molina, o rendimento proporcionado pelo aluguel de casas nos Estados Unidos pode chegar a 12% ao ano, ganho que permite quitar o imóvel em pouco tempo. Os apartamentos de maior demanda por investidores brasileiros são justamente aqueles localizados em cidades turísticas de alta procura por turistas, como a Flórida. Segundo dados da National Association of Realtors (Nars), os brasileiros investiram mais de US$ 2 bilhões em imóveis na região, no ano passado.

5. Robô Score

Desenvolvido pela SABE Invest, a inteligência artificial seleciona as ações da Bolsa com maior probabilidade de valorização, com base em análise fundamentalista e um banco de dados de mais de 120 mil demonstrativos financeiros. 

“Com as informações de fechamento do pregão diário, após o aftermarket, selecionamos as ações de companhias que alcançaram as maiores altas, as maiores baixas e que foram mais negociadas no mercado à vista. Calculamos, para cada companhia, com suporte de Inteligência Artificial, vários indicadores de balanço e de mercado, que permitem obter um score ranqueado para seleção das melhores e piores companhias para investir”, explica o CEO da SABE Invest, Luiz Guilherme Dias.

Tags