Home  >  Negócios

Chega ao Brasil a startup, PayJoy, que usa smartphones para financiamentos

Operando na Índia, México e Indonésia, empresa conta com modelo de negócios que viabiliza a compra de dispositivos

Da Redação

02/12/2019 às 9h00

Foto: Reprodução/PayJoy

No final da semana passada, a startup americana PayJoy anunciou o início das suas operações no Brasil.  Fundada em 2015 por um ex-funcionário do Google Maps, a proposta da companhia consiste em se tornar uma opção de crédito viável para a população que não possui conta em banco e, por isso, tem dificuldades para adquirir dispositivos.  

Antes de chegar por aqui, a PayJoy já estabeleceu negócios na Índia, Indonésia e México, todos os países em que a taxa de pessoas desbancarizadas é alta, porém a população é altamente conectada. Nesses locais, a empresa atuava em um sistema similar ao de parcelas, em que intermediava a compra de smartphones — em geral no valor de US$ 200. 

Acontece que a empresa instala um aplicativo dentro dos aparelhos vendidos que, caso o cliente não efetue o pagamento, bloqueia o acesso a quase todas as funcionalidades: é possível apenas fazer ligações de emergência. 

Ao finalizar o pagamento do produto, a PayJoy também aceita o celular como garantir para a realização de empréstimos de pequenos valores. Para isso, o usuário precisa instalar outro aplicativo, que escaneia o aparelho para verificar as condições de uso e sugerir um valor. 

Se o potencial cliente estiver de acordo, o software ativa um código de QR que, ao ser levado em um caixa eletrônico, libera o valor.         

Para operar no Brasil, a companhia afirma que consultou advogados para realizar as modificações necessárias em seu modelo de negócio, de forma que a operação não vá contra o Código de Defesa do Consumidor.