Home  >  Carreira

6 respostas que você deve ter na ponta da língua ao apresentar sua ideia

Seja um pitch para investidores ou um novo produto para a empresa, existe uma lição de casa necessária quando a meta é fazer bonito

Da Redação

24/11/2019 às 12h00

Foto: Shutterstock

Dar uma palestra envolvente e persuasiva é um fator essencial quando se precisa convencer outras pessoas a “embarcar” na sua ideia. Mesmo quando a decisão envolve assuntos pessoais, como escolher o destino de uma viagem ou mesmo experimentar um prato diferente.  

Essa habilidade se torna ainda mais relevante quando o assunto envolve dinheiro: afinal de contas, ninguém injeta capital sem esperar, no mínimo, o dobro do valor como retorno. 

Com mais de 30 anos de experiência no mercado de finanças, a Ginger Siebel atualmente trabalha no setor que atende PMEs na Mastercard e, dentro da sua rotina de trabalho, participa frequente de competições e eventos de negócios, ajudado a analisar quais negócios têm mais potencial de crescimento. 

Siebel explicou ao Business Insider quais são os cinco aspectos principais que qualquer pessoa que deseja “vender” uma ideia precisa saber de cor e salteado quando se lançar em busca de investimento. São os esses: 

1 - Receita: você conhece o mercado no qual quer se inserir?

Essa é uma das partes em que se deve transmitir mais segurança a quem está ouvindo. Informações como receita anual, capital inicial e retorno do investimento precisam ser ditas de forma concisa e objetiva.  

Para quem ainda não colocou o projeto na rua, é importante apresentar dados coletados com base em experiências reais e explicar de forma detalhada quais foram os fatores que levaram às projeções de receita e lucro que estão sendo apresentadas. 

2 - Avaliação de riscos: o que pode dar errado?

As pessoas sabem que problemas vão acontecer, o que se deseja ouvir é quais são os principais riscos que já foram identificados e qual é o plano de ação para lidar com cada um deles. 

Nesse ponto, o mesmo conselho dado no item 1: o importante é transmitir o recado de que todas as medidas foram avaliadas e, dentro da sua esfera de conhecimento, são as melhores ações que podem ser tomadas. 

3 - Escalabilidade: quais são os próximos passos?

Mesmo que o começo seja pequeno (como sempre é), nesse ponto é muito válido explicar aos ouvintes como seu negócio pode "pegar tração" e de qual forma é possível crescer com velocidade e sem perder os fatores que fizeram da sua solução um sucesso.

E não custa nada relembrar: quando mais apoiado em estudos e cases, melhor.

4 - Consistência: você é capaz de zelar pelo valor da marca?

Esse aspecto se torna muito mais relevante quando a companhia começa a escalar: com mais clientes, negócios e funcionários, manter a "essência" se torna um desafio diário, mas que vale ser travado: afinal de contas, foi a V1 da sua empresa que possibilitou o crescimento atual.

Seja um plano contínuo com o RH ou ações em conjunto com os líderes e "veteranos", apresentar um plano para esses casos mostra um preparo prévio que sempre é muito bem-visto.

5 - Sustentabilidade: o negócio tem como se manter?

Por mais que, no momento atual, o produto ou serviço precise de investimento externo para surgir ou se desenvolver, o empreendedor já precisa contar com um plano bem desenhado que mostre como, a partir de uma certa "estabilidade financeira", o negócio poderá andar apenas com os próprios recursos.

Esse planejamento tende a ser ainda mais valioso nos dias de hoje, após o caso envolvendo a startup WeWork: enfrentando o ceticismo do mercado e sem caixa para se manter sozinha, ele precisou demitir um número significativo de empregados para equilibrar as contas.

6 - Liderança: você tem "presença"?

Nesse ponto, vale um adendo bem significativo: por mais que alguém extrovertido acabe saindo com uma relativa vantagem, esse "plus" se perde facilmente caso a pessoa em questão não chegue ao encontro com o preparo necessário. Ou seja: ter segurança naquilo que se fala já é um grande caminho andado.

Outros aspectos relativos à presença, como contato visual e respostas objetivas, podem ser adquiridos ou melhorados por meio de treino (que precisará ser feito à exaustão antes da apresentação real).