Home  >  Carreira

7 lições sobre liderança aprendidas com Barack Obama durante a Dreamforce

Ex-presidente dos EUA alertou sobre os efeitos colaterais da tecnologia e destacou os aspectos essenciais para uma liderança assertiva e inclusiva

Carla Matsu*

21/11/2019 às 21h03

Foto: Divulgação Salesforce

O ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, foi o grande destaque do último dia da conferência anual da Salesforce, o Dreamforce. As longas filas para entrar em sua sessão, as ovações e, até mesmo uma mulher exibindo meias com os apaixonados dizeres "Eu sinto saudades do Obama", deram o tom ora de ansiedade ora de descontração que o esperavam.

Marc Benioff, o co-CEO showman e cofundador da Salesforce, foi incumbido de entrevistar o ex-presidente. Não deixou de cobrá-lo sobre o livro que Obama disse que já teria terminado de escrever. "Mas você não o terminou ainda?". Como saída, disse que teria de revisá-lo mais, já que o livro da esposa, a ex-primeira dama, Michelle Obama, fez tanto sucesso.

Durante uma conversa de uma hora com Benioff, Obama falou sobre a Fundação Obama e programas de liderança que têm rodado o mundo. Lembrou das reações adversas da tecnologia e como redes sociais estão ajudando a criar um senso de inadequação e de excessos. "Nós estamos correndo atrás das coisas erradas", disse.

Em boa parte da conversa com Benioff, Obama compartilhou conselhos sobre liderança, muitos aprendidos durante os oito anos na presidência dos EUA. Abaixo, compilamos eles.

1. Seja gentil e útil

"É algo que eu constantemente falo com as minhas filhas. Seja gentil com os outros. Seja útil. Se você é gentil e útil, as pessoas vão apreciar trabalhar com você e você se sentirá bem consigo mesmo", aconselhou.

2. Tenha senso de responsabilidade

Obama diz que o que vê em jovens líderes que estão fazendo a diferença é um senso de responsabilidade pelos outros. Um senso de que, apesar das diferenças, há um núcleo na humanidade que precisa ser cultivado e respeitado. E além disso, cultivar um certo nível de inquietação e coragem. "Um senso de perguntar por que não? Aqui está um problema que eu não aceito e um poder de mudá-lo e uma predisposição de ver o poder que outras pessoas têm para mudá-lo", destacou.

3. Busque o silêncio

Obama critica o universo de comparação e status que redes sociais ajudaram a propagar. "Temos a ideia de que mais é sempre melhor, que maior é sempre melhor". Para jogar um pouco mais de luz e, bem, humor ao tema, o ex-presidente lembrou de uma ocasião de que ele e a esposa Michelle estavam em uma suíte presidencial. Com todos os aparatos luxuosos para abrir desde o chuveiro e acender as luzes do quarto. "Acho que Michelle não vai se importar em contar isso. Mas ela ficou meia hora tentando descobrir como desligar a luz até chamar alguém para resolver", lembrou aos risos. A anedota, claro, serviu para algum ensinamento: "Eu não sou mais feliz, porque estou em uma suíte presidencial", disse.

Nesse sentido, ele destaca que líderes precisam restaurar o "senso de alguns valores". "Nós estamos indo atrás das coisas erradas. E tudo tem a ver com questões de status. Saberíamos mais o que nos satisfaz, se ficássemos um pouco quietos".

4. Diversidade não é caridade

A diversidade deve ser encarada também como uma questão estratégica para líderes e os negócios. Afinal, um time diverso chega a diferentes conclusões e soluções. "Se você roda o seu negócios sem ter negros, latinos, asiáticos, mulheres. Se você não tiver diversidade na sua mesa, você está fazendo errado, você estará perdendo algo", destacou. "Se você não tiver mulheres na sua mesa, há pesquisas, documentos que apontam que as organizações lideradas por mulheres fazem melhor, elas lucram mais, em parte porque mulheres são mais inteligentes que a gente, mas porque há sempre pontos cegos que estamos perdendo quando não temos diversidade".

5. Esteja aberto para o fato de que líderes estão em todos os lugares

Há o senso comum de que para chegar a cargos de gerência executiva, líderes precisam ter um histórico em grandes universidades ou certificações sofisticadas. Obama diz ver o tema sob uma perspectiva diferente. "Líderes não precisam dos títulos chiques, e viver em grandes cidades, eles não precisam trabalhar em Washington, ou em capitais, pode haver um líder do movimento ambiental que também é um pequeno fazendeiro", exemplificou.

Ele contou ainda que, durante o período que foi presidente, na Casa Branca, costumava surpreender a equipe de jovens estagiários com perguntas, na tentativa de que participassem de reuniões quando estavam próximos. "O que eu descobri, muitas vezes, que eles tinham o insight que eu precisava. Eu uso isso como exemplo, porque quando pensamos em liderança, nós pensamos sobre aqueles que foram a certas universidades ou têm certas credenciais e o que eu descobri foi que a liderança existe em todo lugar".

6. Saiba que você não será o mais brilhante

Se você tiver o mínimo de bom senso, há grandes chances de você reconhecer que seus conhecimentos são limitados sobre uma série de coisas. Para Obama, líderes tendem a falhar porque não reconhecem essa limitação. "Você tem de estar, não somente disposto, mas também feliz de ter pessoas mais inteligentes que você sentadas na mesma mesa. Eu penso que aprendi isso muito cedo, que seria algo que me sabotaria ter na mesa pessoas que só diriam 'sim, senhor' ou 'você é brilhante, senhor'", disse em tom de brincadeira.

"Mas um grande erro para um CEO ou líder de um governo, qualquer que seja a sua liderança, um erro que eu vejo com frequência é a insegurança do líder, eles querem pessoas que confirmam o que eles pensam e como consequência, eles falham".

7. Pense na cultura que você está criando

Para Obama, criar uma cultura onde todo o poder de decisão vem de cima é estar mais próximo de uma cultura tóxica e, consequentemente, do fracasso.

"O ambiente que eu criei e que funcionou para mim foi reunir essas pessoas que são brilhantes para resolver diferenças baseadas na análise do problema. Mas nunca sentir que a resposta precisava ser sempre a minha. Você não sabe sobre tudo o suficiente, mas se você criar um processo com líderes que estão tratando sua equipe com recursos certos e tratando com respeito e ouvindo e tiver diversidade, agora eu terei a confiança de que eu terei os melhores dados e de todos os ângulos para tomar uma decisão", aconselhou.

*Jornalista viajou a San Francisco a convite da Salesforce