Home  >  Negócios

Como vai funcionar o Peixe Pay, a carteira digital do Peixe Urbano

Em fase de testes no Rio de Janeiro e Florianópolis, meta é lançar o produto em todo o país até começo de 2020; América Latina será o próximo passo

Da Redação

03/10/2019 às 8h05

Foto: Shutterstock

O Peixe Urbano, plataforma conhecida por oferecer cupons de desconto em serviços como restaurantes, peças de teatro e procedimentos estéticos, apresentou ao mercado o Peixe Pay, sua carteira digital.

"A estratégia do Peixe Urbano ao entrar no universo das e-wallets é ser reconhecido como a melhor plataforma de benefícios aos usuários e um solution provider de experiências em restaurantes e entretenimento. O objetivo é aproximar os estabelecimentos dos consumidores de maneira personalizada e prática”, explica Ilson Bressan CEO da empresa e idealizador do projeto.

No momento, a solução ainda está em fase de testes e restrita às praças de Florianópolis e Rio de Janeiro, mas a companhia estima que até o início de 2020 a e-wallet estará presente em todo o território nacional e, em seguida, expandir sua atuação para Chile, Argentina, Colômbia, México e Peru.

Em sua versão “oficial” o Peixe Pay será um aplicativo separado da solução de cupons, focado em benefícios e com outras funcões. Ele contará com recursos como pedidos antecipados (order ahead), take-out, conta integrada para pagamento instantâneo, divisão do valor entre duas ou mais pessoas e ações de cashback.

 

Funcionamento e concorrência

Como acontece em outras carteiras digitais, um QR Code é utilizado para fazer a leitura e pagamento do produto, sendo que a cobrança será feita em um cartão de crédito cadastrado ou por cashback, se houver saldo.

Segundo o comunicado de divulgação enviado, a empresa planeja implementar em estabelecimentos com alto fluxo de clientes o modelo "Scan-Pay-Take-out" (escaneia, paga, retira), com QR Code fixo e exclusivo para itens de maior venda do estabelecimento.

A companhia lança sua solução em um momento no qual os seis em cada dez brasileiros das classes A, B e C já utilizaram meios digitais de pagamentos, o Peixe Urbano aposta que a sua solução ganhará espaço em um mercado bastante competitivo por trazer uma carteira mais completa de serviços.

"Vai sobreviver quem tiver o melhor reconhecimento e adesão da proposta de valor que está oferecendo. É uma corrida por escala, na qual, queremos colaborar e conectar com todos os demais players do mercado para oferecer ao usuário a melhor interoperabilidade entre wallets", afirma Bressan.