Home  >  Negócios

Huawei anuncia investimento de US$ 1,5 bilhão em licenças 5G

Em vias de ser barrada no bilionário mercado americano, companhia chinesa busca formas de se manter relevante em outras partes do globo

Da Redação

19/09/2019 às 15h53

Foto: Shutterstock

Acusada de espionagem e práticas anticompetitivas nos EUA, a Huawei está com os dias contados no país e na relação com gigantes globais como Google e Facebook. Para reforçar sua presença nas demais regiões e não perder espaço nos setores de smartphones e telecomunicações, a empresa anunciou um programa de investimento para desenvolvedores e a venda de tecnologias 5G para outras empresas do setor.

Durante a edição 2019 do Huawei Connect, o vice-presidente Ken Hu anunciou que a empresa irá investir USD 1,5 bilhão nos próximos cinco anos para fomentar seu programa de desenvolvedores, iniciado em 2015.

Apesar de não estar limitado aos hardwares e softwares da empresa, a expectativa do mercado é a de que a empresa aproveite o conhecimento gerado para aprimorar sua oferta e garantir que um número significativo de desenvolvedores compreenda e desenvolva soluções compatíveis com seus produtos — aspecto fundamental para o sucesso futuro da marca. Até o momento, o programa já ofereceu suporte para 1,3 milhão de devs e o objetivo é alcançar mais 5 milhões nos próximos anos.

Papéis conectados 

Além do programa, que deve ser divulgado com mais detalhes nos próximos dias, a fabricante chinesa levantou a possibilidade de vender às concorrentes licenças de uso das tecnologias criadas para comportar o acesso do 5G. A medida, além de proporcionar uma fonte de renda considerável para a marca (dona da maioria das patentes criadas para a nova conexão), tem como objetivo mostrar ao mundo (e aos EUA, mais especificamente) que seu produto é seguro e à prova de falhas.

Durante o anúncio, Hu não explicou como esse processo funcionaria, mas reforçou que a Huawei estaria disposta a ceder, por remuneração, o uso de parte de suas tecnologias, especialmente para empresas ou indústrias que estão mais atrasadas no setor.

 

Tags