Home  >  Negócios

Apple está construindo um novo – e ambicioso – sistema de Machine Learning

Nova tecnologia de machine learning chamada de Overton reduz erros e é, ao que tudo indica, primeira de sua espécie

Jonny Evans, Computerworld (EUA)

18/09/2019 às 8h00

Foto: Shutterstock

Com a Siri pronta para ver melhorias significativas após o lançamento do iOS 13, a Apple publicou um estudo explicando alguns dos detalhes de uma tecnologia de aprendizado de máquina (ML) inédita chamada “Overton".

Nesta semana, a Apple está patrocinando a maior conferência de processamento de idiomas falados do mundo, a Interspeech 2019. Entre outros tópicos, a companhia apresentará trabalhos sobre a detecção de expressão / intenção por meio da voz. O objetivo é melhorar o reconhecimento, desenvolver ferramentas mais precisas para entender as nuances da fala, usar espelhamento para criar relacionamentos entre usuários e assistentes de voz e usar a tecnologia para otimizar o aprimoramento da fala.

Não é um choque que os pesquisadores da Apple estejam se envolvendo com a comunidade científica. A empresa publica documentos e anúncios esporádicos sobre machine learning desde 2017.

Apresentando o Overton

A Apple alega ter uma solução inédita: o Overton, que visa permitir que grande parte da personalização dos modelos de ML seja administrada pela máquina, não pelo humano.

A interação por voz é apenas o front-end do que acontece quando você faz uma pergunta à Siri. Os modelos de aprendizado de máquina devem tentar entender a pergunta, contextualizá-la e descobrir a resposta mais precisa. Fornecer uma resposta de alta qualidade é realmente mais difícil do que parece.

Claro, para algumas questões, tudo o que você obterá da Siri serão os dados encontrados em uma página da Wikipedia (embora, mesmo assim, possa ter verificado várias dessas páginas para eleger a resposta mais relevante). Mas o objetivo final deve ser que a Siri se torne uma fonte eficaz de respostas complexas. Esses próximos passos são difíceis de realizar.

Como os cientistas podem ficar mais confiantes de que a resposta que a Siri tem para dar é a mais precisa possível?

Esse é o tipo de desafio que a Apple está enfrentando com o Overton, que "automatiza a construção, implantação e monitoramento de modelos". Em outros termos, isso significa que a própria máquina fixa e ajusta modelos de aprendizado de máquina em resposta a estímulos externos, tornando-a mais precisa e reparando falhas lógicas que podem levar a uma conclusão incorreta. A ideia é que os humanos possam se concentrar na supervisão dos modelos de ML.

Ao que tudo indica, em vez de precisar se aprofundar em códigos cada vez mais complexos para fazer pequenos ajustes, mas necessários, os seres humanos podem solicitar um conjunto de mudanças que o próprio Overton aplicará.

Como a Apple vai usar a solução?

Parece que as ambições da Apple para a Siri vão além da assistente que os usuários consultam às vezes, mesmo sabendo que podem não ter uma resposta útil. Na verdade, a Siri pretende ser uma assistente de voz capaz de trazer informações de alto nível, análise contextualizada e aumento das tarefas já realizadas. As sugestões da Siri mostram essa direção, embora as implementações continuem limitadas.

Segundo a Apple: "Uma direção importante do trabalho em andamento são os sistemas criados em Overton para ajudar no gerenciamento de aumento de dados, supervisão programática e colaboração."

Além disso, o Overton deverá ter implicações na privacidade do usuário.

Pense da seguinte forma:

Os cientistas da Apple constroem modelos que acreditam ser altamente precisos. Esses modelos são executados no dispositivo iOS. O Overton fornece a esses modelos um certo grau de independência e os sistemas de ML ajustam os modelos para precisão e relevância - tudo sem fornecer aos pesquisadores uma visão das ações individuais.

Isso significa que os gerentes de dados (nesse caso, os cientistas que criam esses modelos primeiro) ocupam papéis estratégicos mais generalizados, nos quais as informações relativas aos usuários não são disponibilizadas a eles.

A Apple cria máquinas de ML para lidar com determinadas tarefas definidas, além de equipar as próprias máquinas para personalizar os modelos usados. Parece ser disso que o Overton trata - e certamente foi parte do que levou a companhia a comprar o Silk Labs.

A Apple diz que o Overton é o primeiro sistema de gerenciamento de aprendizado de máquina configurado para melhorar e monitorar a qualidade dos aplicativos. Lendo nas entrelinhas, pode (deixe o "pode" enfatizado, já que ainda não há grandes informações) também ser a tecnologia usada para identificar quando um usuário aponta a câmera do iPhone 11 para um animal de estimação para um retrato específico de pets.

O mundo de amanhã é um trabalho em andamento.