Home  >  Negócios

Uma grande família feliz: como será a integração da Pivotal com a VMware

Companhia adquiriu Pivotal por US$ 2,7 bi. Compra deve facilitar trabalho de desenvolvedores para escreverem, testarem e implementarem aplicações

Scott Carey, Computerworld UK

17/09/2019 às 14h00

Foto: Shutterstock

Em agosto, a VMware anunciou um acordo definitivo para adquirir a Pivotal, membro da família Dell EMC, fornecedor de PaaS que ajudou a criar em 2012.

O acordo valorizaria a Pivotal - que ajuda os clientes a adotar práticas de desenvolvimento de software modernas e otimizadas - em US $ 2,7 bilhões. A empresa é mais conhecida por sua versão comercial do Cloud Foundry de PaaS de código-fonte aberto, que permite essencialmente aos desenvolvedores Java, Ruby, Node.js, .NET Core, Python, PHP e Go criar seus aplicativos na nuvem.

O núcleo de código aberto do Cloud Foundry recentemente procurou aprofundar as integrações com o sistema de orquestração de contêineres Kubernetes, cada vez mais padrão do setor. Essa abordagem certamente parece atrair os desenvolvedores que operam em ambientes híbridos e multicloud, refletindo nas estratégias da Pivotal e da VMware.

“O Kubernetes está emergindo como o padrão de fato para aplicativos modernos multicloud. Estamos entusiasmados por combinar a plataforma de desenvolvimento, as ferramentas e os serviços da Pivotal com os recursos de infraestrutura da VMware para fornecer um portfólio abrangente do Kubernetes para criar, executar e gerenciar aplicativos”, afirmou Pat Gelsinger, CEO da VMware em comunicado na época.

“O momento é ideal para unir forças com a VMware, líder do setor que compartilha nosso compromisso com as contribuições da comunidade de código aberto e nosso foco em agregar valor ao desenvolvedor além do Kubernetes”, acrescentou Rob Mee, CEO da Pivotal.

Filosofias compartilhadas

Embora considerar que o período de negociação é incômodo, enquanto as duas empresas aguardam a aprovação regulatória, Ian Andrews, vice-presidente sênior de produtos e marketing da Pivotal, disse à Computerworld que "o sentimento foi realmente positivo".

De acordo com Andrews, os primeiros clientes já falaram positivamente sobre a possibilidade de simplificação e oferta de melhores produtos para aumentar o impacto nos negócios.

Do ponto de vista da Pivotal, Andrews está claramente empolgado com a perspectiva de explorar o setor global de vendas e o ecossistema de parceria da VMware. Como membro da equipe executiva, ele disse que a empresa reconheceu a necessidade de expandir sua base de clientes rapidamente, caso contrário correrá o risco de perder uma onda de mudanças tecnológicas que ajudou a ser pioneira.

"Construímos um negócio de assinatura de software de US$ 400 milhões com 400 clientes, o que aparentemente não parece tão significativo, mas estamos falando das maiores empresas do mundo: finanças e seguros, automotivo, varejo e governo. Portanto, do ponto de vista da infraestrutura de TI, os ambientes mais difíceis de trabalhar. Chegamos a Marte em termos de nível de complexidade e dificuldade."

Esse senso de urgência tem uma base na história de Andrews. "Sentimos uma urgência em relação à oportunidade de mercado, em que o modelo em plataformas de infraestrutura é a tendência de compra.

"A maioria dos nossos clientes está desenrolando a tecnologia que eles compraram da IBM e da Oracle no final dos anos 90, início dos anos 2000. Acho que nos próximos dois anos, você terá um conjunto muito amplo de clientes que tomará alguma decisão e seja o que for, essa será a tecnologia com a qual eles operarão, então sentimos o fechamento de uma porta que precisávamos atravessar muito, muito rapidamente." Unir forças com a VMware parecia ser a melhor forma de fazer isso.

E a VMware? "Acho que, da perspectiva da VMware, eles criaram essa incrível franquia de infraestrutura, mas na verdade não conversam com os desenvolvedores", disse Andrews. "Eles obviamente poderiam ter aumentado alguma capacidade de interagir com esse público organicamente, mas isso realmente se torna o ativo que o Pivotal traz para a mesa."

Desse modo, é claro que é possível ver a lógica por trás da união de forças e, com bastante DNA compartilhado, há algum otimismo real sobre o acordo de ambos os lados.

"[A VMware] realmente mudou sua filosofia para ser agora uma empresa multicloud, e o Kubernetes é o núcleo de tudo o que está fazendo", acrescentou Andrews. “Nossas filosofias para a próxima década estão realmente começando a parecer muito semelhantes."

Novo modelo corporativo

Nesta semana, durante o Cloud Foundry Summit em Haia, na Holanda, Abby Kearns, diretora executiva da Cloud Foundry Foundation, conversou com Craig McLuckie, vice-presidente de P&D da VMware, que falou sobre como as empresas podem trabalhar em direção a um novo modelo corporativo de desenvolvimento e implantação de software.

"Muitas decisões importantes de TI estão sendo introduzidas nos próprios negócios", afirmou McLuckie. "Muitas empresas modernas estão começando a se identificar como empresas de software. Portanto, esse velho mundo da TI orientada a tickets está mudando. Precisamos mudar para um mundo moderno e progressivo, onde tudo é orientado por API."

Ele também marcou o Kubernetes como um "substrato comum" para facilitar o movimento em direção a esse novo modelo. "Acho que o Kubernetes é uma abstração de infraestrutura elegante com algumas propriedades muito favoráveis ​​e acho que surgiu como algo que é uma abstração de Goldilocks", acrescentou.

Depois, há a necessidade de uma maneira comum de implantar software. "Não estabelecemos como comunidade esse ponto de singularidade que reune uma maneira padrão de pensar em implantar o software que usamos todos os dias", observou. "Acho que finalmente, com essas duas comunidades juntas, podemos fazer isso."

"O mais importante é sobre essa experiência, essa linha incrivelmente eficiente, dos desenvolvedores à produção. Então, quando olho para isso de forma holística, não se trata apenas da VMware adquirir a Pivotal, acho que isso é emblemático para onde nós, como indústria, temos que ir."

Kearns estava reticente em falar muito sobre o acordo, na tentativa de manter a Cloud Foundry Foundation distante do assunto. No entanto, "como diretora executiva da fundação, obviamente a VMware e a Pivotal sempre tiveram um papel fundamental em quem somos", declarou.

"O código da Cloud Foundry que foi para a Pivotal foi originalmente incubado na VMware. É como uma grande família feliz", acrescentou a executiva. "A VMware é um membro importante e faz parte do conselho da fundação desde o primeiro dia, ao lado da Pivotal. Eles têm sido uma parte muito importante desde o início e continuarão sendo."