Home  >  Plataformas

COBOL completa 60 anos: o que sua história dirá sobre o futuro do Java?

Embora seu auge tenha chegado ao fim nos anos 80, ele continua a alimentar 70% dos sistemas globais de processamento de transações

Matt Asay, Infoworld (EUA)

14/09/2019 às 13h43

Foto: Shutterstock

Apesar de sermos obsessivos por novidades, é conveniente observar quanto tempo o "velho" permanece conosco. Veja o COBOL, por exemplo. A venerável linguagem de programação faz 60 anos neste mês e, como Steven J. Vaughan-Nichols escreveu, poderia muito bem "sobreviver a todos nós".

De fato, o COBOL oferece um ótimo exemplo do verdadeiro ritmo de progresso de nossa indústria, enquanto talvez também ofereça algumas pistas sobre quais serão os COBOLs de amanhã. Java e SQL? Ou talvez Python?

COBOL, o cavalo de batalha

A maioria das pessoas que estão lendo este texto não nasceu em 1959, ano em que Mary Hawes teve a ideia do COBOL (Common Business-Oriented Language), que Grace Hopper (e outros) passou a formalizar. O objetivo de Hawes, como Vaughan-Nichols nos lembra, era criar "uma linguagem semelhante ao inglês que pudesse ser usada em diferentes computadores para executar tarefas básicas de negócios".

Embora o auge do COBOL tenha chegado ao fim nos anos 80, ele continua a alimentar 70% dos sistemas globais de processamento de transações, de acordo com a Micro Focus (a empresa que mantém a COBOL), em entrevista à Vaughan-Nichols. Tirou dinheiro de um caixa eletrônico? COBOL. Pagou uma hipoteca? COBOL. Ligou para um call center? Sim, também COBOL. Mesmo fazer reservas para as suas férias quase certamente depende de COBOL.

O COBOL supostamente está expirando há décadas, mas 220 bilhões de linhas COBOL vivem nos mainframes das nossas vidas. Além de ser fácil de ler, a linguagem se mantém atualizada. Hoje, o COBOL se integra aos contêineres do Docker e Java, enquanto opera na nuvem, no Linux ou Windows. É uma linguagem altamente flexível que permite que os desenvolvedores se concentrem em escrever seus aplicativos enquanto o COBOL cuida dos meandros do sistema operacional subjacente.

Atualmente, o maior risco para o COBOL é que está ficando cada vez mais difícil encontrar programadores qualificados. A linguagem pode conviver conosco por mais várias décadas, por conta do custo e do risco de substituir os sistemas baseados em COBOL por alternativas, mas isso não significa que os desenvolvedores estão sonhando em escrever seu primeiro programa em COBOL. É um problema, mas não um que pretendo resolver aqui neste post. (Desculpa!)

Em vez disso, revisar os 60 anos de história do COBOL me fez pensar nas linguagens de hoje que poderiam se tornar os "COBOLs" de amanhã.

O COBOL de amanhã

É difícil prever o futuro, é claro, mas há indícios fortes para SQL, Python e Java. Dave Kellogg há anos chama o SQL de novo COBOL. Isso pode ser verdade em termos de longevidade e na percepção de que está desatualizado, mas o paralelo acaba enfraquecendo. Há apenas um COBOL. Apesar de todas as suas pretensões de padronização, o SQL fala um dialeto diferente, dependendo do provedor do banco de dados. Embora isso não tenha impedido o SQL de permanecer por aqui (e com certeza permanecerá relevante nas próximas décadas), ele não parece tão forte quanto o COBOL - ou pelo menos não tanto quanto o Java.

O Java, como o COBOL, é relativamente fácil de ler e escrever e também manteve sua modernidade. Toda vez que o Java parecia estar perdendo suas forças, algo o animou. De acordo com Brian Leroux, o Android é parcialmente responsável pela relevância contínua do Java, e um pouco mais tarde o big data o ressuscitou ainda mais. Como Nitin Borwankar destacou, “o Java recebeu [um] segundo respiro devido ao Hadoop e a todo o ecossistema de ciência de dados, incluindo linguagens Hive, HBase, Spark, Cassandra, Kafka e JVM, como Groovy e Clojure. Tudo isso não vai desaparecer tão cedo".

De fato, como no COBOL, uma das principais razões pelas quais provavelmente vemos o Java gravado nas nossas vidas, como Jonathan Eunice escreveu, é porque ele é "implantado profunda e amplamente em aplicativos importantes". As empresas incorporam o Java nos aplicativos mais essenciais para a suas missões, tornando menos provável sua substituição por alternativas modernas - o custo e o risco atenuam essa chance.

Da mesma maneira, o Python pode muito bem provar seu poder de resistência. Na opinião de Lauren Cooney, o Python resistirá porque é uma linguagem “GSD [faça as coisas] vs. uma linguagem legal, não é chique, simplesmente funciona”. Importante, como o Java, o Python é cada vez mais fundamental para a ciência de dados moderna que pode vir a sustentar os sistemas financeiros.

Algo mais? Bem, há uma resposta não tão explícita: talvez o COBOL seja o futuro COBOL. Como Andrew Oliver disse: “Anos atrás, eu falei que o Java é o COBOL do futuro. Todo mundo olhou para mim estranhamente. Eu acho que é o futuro."