Home  >  Plataformas

O que uma criptomoeda da Apple pode significar para o setor de pagamentos?

Uma moeda e carteiras digitais poderiam dar à fabricante de iPhones uma vantagem competitiva e aumentar a pressão sobre o setor bancário

Lucas Mearian, Computerworld (EUA)

13/09/2019 às 9h49

Foto: Shutterstock

Legenda:

Na semana passada, uma executiva da Apple confirmou que a empresa está interessada no setor de criptomoedas, anúncio que surge meses depois do lançamento do CryptoKit para iOS 13. Embora ainda especulativo, o CryptoKit é provavelmente o primeiro passo para permitir que os usuários façam transações com bitcoin e outras criptomoedas armazenadas nos iPhones.

Caso seja confirmada, a Apple será apenas a mais recente em uma série de gigantes da tecnologia a adentrar os serviços financeiros. Na verdade, uma stablecoin e uma carteira digital ou criptográfica podem dar à empresa uma vantagem competitiva e aumentar a pressão sobre o setor bancário e de processamento de pagamentos. O mercado de criptomoedas, no entanto, não possui padrões amplamente adotados no setor para garantir as melhores práticas de segurança e privacidade.

Apesar disso, Clifford Rossi, executivo e professor da Escola de Negócios Robert H. Smith do Departamento Financeiro da Universidade de Maryland, acredita que a Apple tem muito a ganhar com o lançamento de sua própria stablecoin.

A seguir, trechos de uma entrevista com Rossi sobre a Apple:

O que tornaria a criptomoeda uma proposta atraente para a Apple?

"Esta é uma revolução. Se você der uma olhada nos métodos de pagamento atuais ..., pensando no Apple Pay por um momento, você tem muitas maneiras diferentes pelas quais um consumidor pode fazer transações online ou através de dispositivos móveis hoje, e realmente o que há até agora ainda são métodos bastante complicados e ainda bastante caros. Quando digo complicado, mesmo através do Apple Pay, você ainda precisa configurar sua conta por meio de cartão de crédito.

Então, você precisa autorizar o cartão de crédito e o PIN e todas as outras informações pertinentes. Embora isso possa não parecer muito importante, você tem intermediários - as empresas de cartão de crédito ou sua conta bancária em alguns casos. Portanto, não é um meio eficiente de processar pagamentos. A outra parte é o custo. Do ponto de vista do custo, você tem taxas associadas à troca de cartões de crédito e taxas acessórias dos centros de processamento de pagamentos. Portanto, os custos também são uma grande parte disso.

Se você puder reduzir custos e reduzir o tempo para os consumidores, descobrirá que poderá ampliar sua entrada no mercado e ... para a Apple além dos clientes existentes do Apple Pay - se puder demonstrar o seguinte: confiança, conta proteção e facilidade de uso. Se isso for possível, [e considerando] os vários outros jogadores disputando posições como Google e Amazon e até os grandes bancos, isso permitirá que você saia desse pacote. E mesmo para uma marca como a Apple permitirá atrair novos clientes."

Você observou que o Apple Pay precisa ser anexado a um cartão de crédito ou conta bancária, mas a que a criptomoeda é anexada?

"É a criptomoeda juntamente com uma carteira digital que aliviará a necessidade de ter contas bancárias tradicionais configuradas. Ainda é necessário, por transferência eletrônica ou por outros meios, estabelecer uma conta com alguma empresa. Portanto, ainda é necessário obter seu dinheiro, em qualquer moeda que seja, carregado em uma carteira de criptomoeda.

A criação desse ambiente monetário estável fornece o meio de troca para que os consumidores criem suas contas; ... assim, tudo pode ser denominado em bitcoins ou Libra Coins ou o que quer que seja e pode efetivamente estabelecer seu próprio meio de troca, ambos para fins de criação de uma conta, e essa conta pode ser gerenciada pelo consumidor, que é outro recurso importante.

A razão pela qual gostamos de bancos é que eles podem nos informar quando há alguma atividade fraudulenta na conta. Bem, neste caso, existem alguns benefícios dessa criptomoeda combinada e de uma carteira digital. Você obtém um ambiente muito mais seguro com base na tokenização da moeda e, como consumidor, você deve efetuar a transação em vez de ser retirada do seu cartão de crédito ou conta bancária. A partir dessa perspectiva, também cria uma plataforma mais segura.

Portanto, embora seja necessário fazer o upload de dólares para uma carteira digital ..., com o tempo, isso pode ser dissociado, porque a criação de uma moeda estável pode ser aquela em que você compra e depois realiza a transação."

Quando você diz "comprar", quer dizer comprar stablecoins e armazená-las em uma carteira online ou offline?

"Isso, exatamente."

É selvagem lá fora. Você acha que o setor de comércio eletrônico e bancário precisa de um padrão para criptomoeda para governar todos eles?

"Eventualmente. Muitos processos em nossas vidas corporativas, em vários graus, ocorreram de várias maneiras. Se você pensar em eletricidade não havia um padrão. Eventualmente, isso foi resolvido pela concorrência e pelos mercados.

Eu acho que será o mesmo caso. Você tem reguladores governamentais e bancos centrais que estão começando a descobrir o que fazer. Com o tempo, acho que um tipo de padronização será apresentado, provavelmente através de algum consórcio.

Acredito sinceramente que qualquer um desses players no mercado hoje, para que ocorra a adoção generalizada, tenha que ter parcerias bastante grandes com os principais da área. O melhor exemplo disso é o que o Facebook fez com a Libra. Você precisa de empresas de processamento de pagamentos, empresas de cartão de crédito, bancos e comerciantes para adotá-la amplamente. Como você pode ver com esse consórcio que a Libra montou, eles estão seguindo nesse caminho.

Então, acho que a parceria é fundamental para chegar ao topo da lista para dominar e, eventualmente, se tornar o padrão do setor para esse tipo de aplicação."

Você vê alguma desvantagem nas criptomoedas ou stablecoin - problemas ou processos de segurança que se tornam mais complexos?

"Um dos perigos que existe há algum tempo é o potencial de pessoas mal intencionadas tirarem proveito da tecnologia de criptomoeda para ocultar fraudes e outros tipos de atividades criminosas.

O outro ponto que me preocupa um pouco é que se você tem grandes empresas como Google, Amazon e até Apple envolvidas nisso, e acabamos de ouvir outro dia que há um potencial comportamento antitruste do qual o Google está sendo investigado por vários [estados], então, pense em uma empresa do tamanho do Google capaz de controlar não apenas grandes quantidades de dados pessoais, mas também a maneira como realizamos as transações. Eles poderiam criar um monopólio ... que poderia substituir o processamento tradicional de pagamentos. Inicialmente, seria mais eficiente e menos oneroso [para os consumidores], mas no processo eles poderiam encontrar novos caminhos para aumentar a receita e, à sua maneira, impor novos custos para comerciantes e consumidores. Isso é apenas especulação, mas com base no que está acontecendo no Google hoje, eu posso ver isso como um problema em potencial.

Trata-se de dinheiro. Essas empresas são muito experientes e exploram isso até o enésimo grau, sabendo que terão que enfiar a agulha cuidadosamente em torno de uma possível supervisão regulatória; são capitalistas e encontrarão uma maneira de fazer isso."