Home  >  Negócios

Para a surpresa de ninguém, mercado de smartphones continua em queda

Mas temos uma surpresa: Brasil foi destaque por ser o único dos cinco principais mercados a registrar crescimento

Da Redação

27/08/2019 às 13h54

Foto: Shutterstock

Os números da Gartner mostram que a redução de compras de smartphones chegou para ficar: de acordo com os números divulgados em seu relatório, foram vendidas 368 milhões de unidades, percentual 1,7% menor do que o registrado no mesmo período no ano passado.

Do ranking de principais fabricantes, a Apple foi mesmo a companhia que mais perdeu vendas, passando de 44,7 milhões de unidades no segundo trimestre de 2018 para 38,5 no resultado atual. Desde que a companhia de Cupertino revisou para baixo a estimativa de vendas para os iPhones, o declínio de vendas da marca já era esperado.

Indo na contramão, Samsung e Huawei apresentaram crescimento em comparação como ano passado. Enquanto a dona da linha Galaxy comercializou 75,1 milhões de eletrônicos (contra dos 72,3 milhões do ano passado), a Huawei chegou aos 58 milhões de dispositivos (em 2018, vendeu 49,8 milhões).

Comparando quais marcas menos faturaram e as que se deram bem no último trimestre, percebe-se que o consumidor está “segurando a onda” para trocar de aparelho e, quando isso ocorre, opta por modelos mais baratos. Isso acontece porque, nos últimos anos, os aparelhos contam com recursos bem parecidos, como reconhecimento de digital e câmera melhorada. Ou seja: a não ser que a pessoa seja uma heavy user, ela vai se se contentar com uma opção menos cara.

Brasil em destaque

O nosso país, junto com a China, foi um dos únicos entre os cinco principais mercados de smartphones a apresentar crescimento de vendas: aumento de 1,3%, também conhecido como 10,8 milhões. Segundo a Gartner, a tendência é que o país se mantenha no azul em 2020.

Já a China teve um crescimento bem mais tímido, de 0,5%. Um dado interessante é que boa parte dessas vendas foi impulsionada por descontos em aparelhos mais caros, como forma de “limpar o estoque” e receber dispositivos que já venham a tecnologia de conexão 5G.