Home  >  Negócios

Apple escutava gravações de usuários para melhorar sistema de voz

Cerca de 300 funcionários foram contratados pela empresa para ouvir comandos feitos para Siri. Serviço foi interrompido em julho

Da Redação

26/08/2019 às 11h46

Foto: Shutterstock

A Apple foi listada entre as empresas que usam gravações reais de usuários para aprimorar a Siri, sua assistente de voz que utiliza inteligência artificial. O relato foi divulgado pelo jornal Irish Examiner, da Irlanda, após descobrir que uma empresa local prestava esse tipo de serviço para a companhia de Cupertino.

De acordo com a reportagem publicada, cerca de 300 pessoas foram contratadas pela empresa Globetech para categorizar gravações feitas pela assistente de voz. Segundo o texto, o trabalho realizado pelos contratados era identificar se a gravação realmente havia sido um comando de voz ou se o equipamento  captou por engano uma conversa ou outro tipo de som. Por turno, mais de 1 mil trechos de áudio eram escutados e classificados por cada pessoa.

Prática comum no mercado

Segundo o Irish Examiner, a Apple suspendeu o serviço de escuta em julho e dispensou toda a equipe contratada para a tarefa, remunerando uma semana extra e eventuais dias a mais trabalhados. Todos os empregados ouvidos pelo jornal garantiram que a identidade dos usuários estava protegida.

Contratar terceiros para escutar e classificar gravações  de usuários é uma iniciativa também realizada por outras companhias. Nos últimos meses, outras reportagens mostraram que Amazon, Google, Facebook e Microsoft executam o mesmo processo para, com base nas transcrições feitas pelos funcionários, aprimorar o funcionamento das inteligências artificiais utilizadas por cada empresa.

No caso da Apple, a situação é um pouco diferente porque a empresa sempre adotou um discurso muito forte em prol da privacidade de seus clientes e transparência nos dados que eram coletados pela companhia. E, como nos demais casos, os donos de HomePods e iPhones que utilizam a ferramenta de voz não tinham conhecimento de que seus registros, por mais que estejam anonimizados, possam ser ouvidos por seres humanos.

O que as companhias falaram

A Globetech enviou uma nota ao Irish Examiner em nome de seu CEO dizendo que o caso "Era uma situação difícil para todos os envolvidos" e que "A natureza do nosso negócio significa que a maioria dos contratos dos nossos empregados tenham um propósito pré-definido e esteja linkada com as necessidades dos ciclos de vida dos projetos."

Já a Apple emitiu a seguinte declaração, feita por um porta-voz da companhia:

“Acreditamos que todos devem ser tratados com a dignidade e o respeito que merecem — isso inclui nossos próprios funcionários e os fornecedores com quem trabalhamos na Irlanda e em todo o mundo. A Apple está comprometida com a privacidade do cliente e tomou a decisão de suspender a classificação Siri enquanto realizamos uma revisão completa de nossos processos. Estamos trabalhando em estreita colaboração com nossos parceiros para garantir o melhor resultado possível para nossos fornecedores, funcionários e clientes em todo o mundo ".