Home  >  Plataformas

Os 3 erros mais comuns das empresas na hora de escolher um firewall

Entre tantas opções, como escolher o firewall certo para uma organização ou como mudar de uma solução para outra?

Por Marcel Mathias*

22/08/2019 às 17h00

Foto: Shutterstock

Essencial para proteger o ambiente de TI das empresas, a adoção de um firewall é, há tempos, um dos primeiros pontos de qualquer estratégia ou checklist de segurança. Mas, com as ameaças mudando e evoluindo diariamente, manter um firewall tradicional já não é sempre o suficiente. Não por acaso, hoje, existem dezenas de opções e formatos disponíveis no mercado, oferecendo inúmeras oportunidades para os líderes de tecnologia e negócios.

Neste cenário, a dúvida que surge é a seguinte: entre tantas opções, como escolher o firewall certo para uma organização? Como mudar de uma solução para outra? Além disso, quais são os erros que uma companhia não pode cometer na hora de definir a ferramenta a ser utilizada em sua rotina?

Para sua companhia responder essas perguntas com sucesso, listamos os três principais erros relacionados à escolha de um firewall e como sua equipe pode evitar cada um deles. Confira:

1. Comprar um firewall sem dimensionar corretamente a rede

Antes de definir qual é o melhor firewall para sua empresa, é imprescindível dimensionar corretamente quais especificações e recursos serão necessários para atendê-la. É importante conhecer bem a operação, respondendo perguntas como: quantos dispositivos existem em sua rede? Quantos usuários sua companhia tem? Qual é a taxa de transferência (throughput) necessária para atender a todas as demandas?

Outro passo é analisar os requisitos de performance, ou seja, quais funcionalidades são essenciais para o seu negócio. Hoje, é possível contar com funções para prevenção contra intrusos, controle de conteúdo, proteção avançada contra ameaças, multilink etc. São dezenas de opções. Por isso, conhecer as ferramentas e analisar o que, de fato, cada uma pode agregar à operação no dia a dia é fundamental.

2. Adotar produtos sem suporte

Um dos grandes erros que os líderes ainda cometem é escolher um firewall sem a certeza de que haverá apoio para uma experiência de qualidade. Como é impossível garantir que sua empresa não terá de enfrentar desafios pelo caminho, a melhor opção é sempre buscar soluções de fabricantes que, em caso de algum problema, ofereçam recursos adequados para ajudar sua companhia a resolver qualquer problema.

Em tempos que exigem respostas dinâmicas e adequadas, os líderes devem procurar em seu novo firewall a facilidade de uso e uma experiência simples. Por exemplo: seu firewall tem suporte técnico disponível em língua nativa? Esse é um ponto muito importante, pois as dúvidas e demandas serão compreendidas e resolvidas com mais rapidez, do que caso você precise falar com equipes em outros países, que não entendem o seu contexto.

Vale dizer que o atendimento é só uma parte dessa experiência. Também é fundamental pesquisar a documentação do produto. Existem manuais, guias e outros recursos atualizados para ajudar a resolver problemas com mais rapidez e autonomia? Vídeos tutoriais? Estes são fatores que podem agilizar a adoção de uma ferramenta e, mais importante, podem ser fundamentais para permitir que as empresas extraiam real valor dos produtos.

Outro aspecto que facilita a experiência com o produto é ter uma interface mais intuitiva e que torne fácil o processo de criação de regras para o gerenciamento dos tráfegos de dados. Com isso, mesmo a equipe mais madura, acostumada a administrar políticas a partir de códigos, ganhará tempo para gerenciar outros aspectos da rede.

3. Adotar um firewall que não é escalável

Mesmo que você tenha dimensionado corretamente a real necessidade de sua rede e escolhido o produto de acordo com a performance que atende aos requisitos, o cenário do ambiente pode mudar - a empresa cresce, o número de funcionários aumenta, o número de dispositivos muda etc. Por isso, o firewall precisa ser capaz de acompanhar essas mudanças e garantir máximo desempenho, mesmo nas novas condições.

Isso quer dizer que se o produto adotado não é escalável, ou seja, não permite aumentar ou readequar os recursos para ganhar melhor desempenho, sua operação provavelmente terá problemas. A escalabilidade pode ser alcançada de diversas maneiras, como, por exemplo, a partir da otimização de infraestrutura por meio de appliances virtuais; com a habilitação de alta disponibilidade e balanceamento de carga; ou com a adoção de ofertas de um firewall baseado em Nuvem.

Para todos esses pontos, ter um planejamento robusto e checar continuamente as necessidades de seu negócio são ações fundamentais. Mas há uma recomendação que é unânime para todas as dúvidas e fases de implementação: para garantir a aderência de uma solução à operação de sua empresa, é sempre importante testar o produto. Afinal, como você vai descobrir se é vantajoso trocar de firewall sem antes vê-lo funcionando?

Além de responder diversas perguntas que sua equipe terá no processo de instalação e ajuste, realizar um teste prático vai mostrar as vantagens de uma solução em comparação com outros produtos. Somente assim sua empresa saberá qual é a opção que tem melhor desempenho, tem melhor custo-benefício, tem suporte mais confiável etc.

Avaliar detalhadamente as opções e como cada solução se integra à sua companhia é o que de fato ajudará a manter seus dados, conexões e redes seguros. É preciso aproveitar as inovações que estão surgindo, melhorando de verdade os negócios. As ferramentas estão disponíveis e, agora, é a vez dos líderes buscarem os caminhos certos para reforçar a segurança e a eficiência de suas estratégias de transformação digital.

*Marcel Mathias, Diretor de Pesquisa & Desenvolvimento da BLOCKBIT