Home  >  Negócios

Cresce horário flexível nas empresas; Home office ainda permanece baixo

Segundo Pesquisa de Benefícios da Aon, número de empresas que oferece horário flexível praticamente triplicou em dois anos

Da Redação

15/08/2019 às 15h36

Foto: Shutterstock

O sistema tradicional de controle de jornada de trabalho, com ponto e quantidade de horas certas trabalhadas, pode deixar de ser o padrão daqui para frente. Pelo menos é o que aponta pesquisa realizada pela Aon, empresa de gestão de riscos, corretagem e seguros.

De acordo com a Pesquisa de Benefícios Aon 2018-2019, 38% das empresas no Brasil atualmente oferecem horário flexível, um número que praticamente triplicou em dois anos, quando apenas 13% das companhias afirmavam ter esta disponibilidade.

A flexibilidade também é refletida em outros valores. Segundo o estudo, 37% das empresas permitem que seus funcionários trabalhem com roupas casuais. No entanto, o número de companhias que libera o trabalho remoto ainda permanece relativamente baixo. Apenas, 21% das respondentes afirmaram ter adotado o sistema home office. Há dois anos, este número estava estacionado em 17%.

Para realizar o estudo, 640 empresas foram entrevistadas, sendo ao todo, cerca de 2,3 milhões de funcionários analisados.

Outro resultado do estudo foi que, 29% das organizações disponibilizam licença-maternidade estendida, benefício que cresceu 142% desde 2017. Já para os homens, as empresas também começam a olhar com mais atenção para a licença-paternidade, benefício que ganhou espaço em 21% das empresas analisadas.

Rafaella Matioli, diretora de Health e Retirement Solutions da Aon Brasil, acredita que hoje há diversos tipos de profissionais com exigências diferentes e é importante saber lidar com todos. “Acreditamos que disponibilizar opções para o colaborador escolher aquela que melhor se adequa às suas necessidades e momento de vida será um caminho importante para a atração e retenção de talentos", explica.