Home  >  Segurança

49% das empresas consideram que aplicações na nuvem levam a ciberataques

Segundo estudo da Thales, dispositivos IoT e portais web também foram apontados entre as principais razões pelas quais uma companhia pode ser atacada

Da Redação

12/07/2019 às 14h00

Foto: Shutterstock

Quase metade (49%) das empresas considera que as aplicações na nuvem levam a ataques cibernéticos, de acordo com uma nova pesquisa da Thales, intitulada Thales Access Management Index 2019 e que entrevistou mais de 1.050 tomadores de decisões da área de TI do mundo todo.

Ainda de acordo com o levantamento, os aplicativos na nuvem (49%) foram apontados entre as três principais razões pelas quais uma organização pode ser atacada, logo atrás de infraestruturas desprotegidas, como dispositivos IoT (54%) e portais Web (50%).

Agora que os aplicativos na nuvem são uma parte crucial das operações comerciais do dia a dia, a maioria (97%) dos líderes de TI acredita que a gestão de acesso à nuvem é necessária para continuar com a adoção deste novo ambiente.

No entanto, apesar de quatro entre cada dez empresas (38%) nomearem um CISO, apenas um em cada dez entrevistados (14%) tem a decisão final sobre a gestão de acesso à nuvem. Na verdade, as empresas estão mais propensas a confiar em uma função tradicional de TI, os CIOs (48%) em situações como essas, sugerindo uma desconexão entre a tomada de decisão e a implementação em torno da segurança na nuvem.

Obstáculos
Apesar das atualizações nas políticas de segurança, a maioria dos líderes de TI (95%) acredita que a gestão ineficaz de acesso à nuvem ainda é uma preocupação para a empresa. Na verdade, suas maiores preocupações são o impacto na segurança (48%), o tempo das equipes de TI (44%) e as despesas operacionais e os custos de TI (43%). A situação piora quando se trata de implementar soluções de gestão de acesso, sobre o qual eles citaram custos (40%), erro humano (39%) e dificuldade de integrá-los (36%) como os maiores obstáculos.

Quando analisamos as soluções na nuvem, três quartos (75%) das empresas já contam com a gestão de acesso para proteger os logins de seus usuários externos de recursos corporativos on-line. Em particular, a autenticação de dois fatores é a ferramenta mais provável (58%) para ser vista como eficaz na proteção de aplicativos baseados na Web e na nuvem, seguida por logon único inteligente (49%) e autenticação biométrica (47%).